TÓPICOS

Direitos de outras espécies (não humanas)

Direitos de outras espécies (não humanas)


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Por Grettel Navas (Costa Rica)

Na Costa Rica hoje se propõe o debate sobre o abuso de animais, “prisão para quem maltrata, tortura ou mata um animal”. Diante disso, faço duas observações:

Em primeiro lugar penso que em boa hora debates como este (presentes desde a antiguidade) chegam ao nosso país. Pelo menos agora os animais podem ter um espaço no debate acadêmico, político e econômico para o estabelecimento ou não de políticas públicas e legislações nacionais. Dois países foram mais longe e declararam em suas Constituições um capítulo sobre os "Direitos da Mãe Natureza" (Equador e Bolívia).

Em segundo lugar, acho que como os principais meios de comunicação falam sobre isso, os ativistas contra e a favor dessa reforma da lei ainda são muito pequenos. A questão da relação entre humanos e não humanos é muito mais ampla, mais histórica e complexa.

Em nível científico, está comprovado que o único órgão que pode diferenciar entre prazer e dor é o cérebro. Portanto, o cérebro é um órgão interpretativo, todo ser vivo que possui um cérebro pode diferenciar entre dor e prazer. Os cães, gatos, tubarões, galos, peixes, humanos e outros animais sentem essas duas condições ou estados. O golpe que uma vaca ou um peixe sente é provavelmente a mesma sensação de dor que um ser humano sente, de não poder falar, gritar ou se defender, não muda nada.

Porém, se voltarmos às raízes das crenças humanas, é preciso destacar que a tradição judaico-cristã, que influencia a grande maioria dos países latino-americanos, cita sua gênese da seguinte forma: “A natureza deve ser submetido, deve ser dominado "E também aponta que" os animais devem estar a serviço do homem. "

Portanto, deve-se observar que, por interferir nesse paradigma, a violência contra outros seres vivos não humanos está presente em todas as nossas ações:

A começar pela nossa linguagem, quando damos caracterizações a um animal para posteriormente personificá-lo com um humano, por exemplo para dizer que uma pessoa é burra ou bruta, na Costa Rica dizemos “que cavalo”; Para caracterizar alguém como nojento, imundo, desarrumado, dizemos "que porco", também existem conotações positivas, alguém inteligente e astuto é "gato".

Por outro lado, há a violência contra outros seres vivos que indiretamente praticamos quando comemos: quando vemos um pedaço de carne, provavelmente poucos se perguntam sobre a corrente e tudo o que aquela peça passou antes de chegar ao prato. Nesse ponto há muito debate, principalmente dos movimentos veganos que tem como frase de luta, a famosa citação de Paul Mc Cartney “se os matadouros tivessem paredes de vidro, seríamos todos vegetarianos”.


Além disso, usamos animais para nos divertir (touros, brigas de galos, cães) e para nos vestir (couro, pele, penas). Sem dúvida, somos fiéis seguidores do que o livro sagrado ditava, e seja por ignorância, questões culturais, econômicas, sociais e até mesmo de sensibilidade, devemos aceitar que nosso grau de violência contra outras espécies é alto e nossos padrões culturais o fazem invisíveis, eles o naturalizam, tanto que a vemos como algo normal que a cada dia uma espécie diferente de nós morra violentamente para nos alimentar.

Do ponto de vista legislativo, múltiplos esforços têm sido feitos em nível latino-americano, quando no Equador e na Bolívia foi declarado um capítulo constitucional sobre "Os Direitos da Mãe Natureza", muitos ativistas a favor da defesa ambiental e animal gritaram glória; No entanto, em ambos os países ainda existe abuso de animais, o romantismo dessas constituições para a redução do especismo é claro e até poético, mas ainda há muito trabalho a ser feito para aterrar e materializar a carta às ações, à prática diária e à feitura de consciência de cada equatoriano, equatoriano, boliviano e boliviano.

Ora, a legislação é um instrumento, mas para estas questões que têm as suas raízes na religião, na cultura de uma forma ancestral de ver o mundo e de nos sentirmos "donos e senhores" do planeta, é necessária uma revolução. Cognitiva, e evolução no pensamento e na relação do “eu” com o “outro”, com o meu “meio” e com todos os outros seres vivos.

O ponto de chegada deste artigo é que para entrar nesses debates é necessário entrar com seriedade, abordando o assunto desde sua complexidade e não se limitando ao fato de que o abuso de animais deve ou não ser punido com prisão, é certamente um bom começo, mas aqueles que protegemos os animais também devemos observar nossas roupas e nossa alimentação.

Esperamos que esse debate continue e que além da legislação (que nem sempre é cumprida na Costa Rica, aliás) a sociedade se fortaleça com o desaprendizado e a evolução para um mundo sem especismo, a cada dia as crises ambientais nos mostram mais claramente que tudo começa com a ação individual e que as crises para além da economia são uma crise de racionalidade na forma de ver, perceber o mundo e utilizar os recursos naturais. .net


Vídeo: Declaração Universal dos Direitos Humanos - artigo por artigo (Julho 2022).


Comentários:

  1. Braeden

    não está absolutamente satisfeito com a mensagem anterior

  2. Broderik

    Você não entendeu nada bem.

  3. Malyn

    Eu acho que você está cometendo um erro

  4. Maular

    não vou consentir

  5. Ilhicamina

    Esta é apenas uma resposta maravilhosa.

  6. Mirg

    fotos antigas

  7. Grolkis

    É apenas uma mensagem maravilhosa



Escreve uma mensagem