TÓPICOS

Permacultura: uma cultura sustentável é possível

Permacultura: uma cultura sustentável é possível


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Por Gustavo Ramírez

No cenário de um mundo de crescente escassez de energia, a permacultura poderia lançar as bases para uma sociedade mais frugal e uma cultura de adaptação descendente no consumo de energia, desenvolvendo estratégias que combinam de forma criativa e modular os elementos e a lógica da modernidade, com outros decorrentes de um meticuloso observação da natureza e resgate de culturas pré-modernas.


Os princípios da permacultura como base do design geral do espaço são baseados no uso harmonioso da terra e dos fluxos de energia, o bom design de edifícios naturais e uma organização social e econômica da comunidade. A permacultura consiste em um certo conceito “pós-moderno”, no sentido de tentar ir além dos paradigmas técnico-científicos da modernidade; Nesta disciplina todos os princípios estão abertos a diferentes sistemas e tradições que podem ser combinados experimentalmente sem estar vinculados a qualquer estética ou tradição consagrada. No cenário de um mundo de crescente escassez de energia, a permacultura poderia lançar as bases para uma sociedade mais frugal e uma cultura de adaptação descendente no consumo de energia, desenvolvendo estratégias que combinam de forma criativa e modular elementos e lógicas da modernidade, com outros que surgem de uma observação meticulosa da natureza e resgate de culturas pré-modernas, criando assim novos designs, novas soluções.

As propostas agrícolas da permacultura experimentam culturas novas e marginais que podem sustentar agrossistemas de baixa energia. O sistema é baseado na observação cuidadosa do agroecossistema. A diferencia de la agricultura industrial, que intenta alterar y reprimir artificialmente los ciclos naturales y un control represivo de la biodiversidad, la permacultura es pro diversa y procíclica, fundando su fortaleza en la imitación, adaptación y uso en beneficio propio de los ritmos e interacciones da natureza. Dessa forma, consegue reduzir o trabalho manual repetitivo e reduz ao mínimo o uso de energia não renovável. Assim, enquanto a agricultura tradicional, em sociedades com alta densidade populacional rural, é baseada em um sistema intensivo de trabalho; e agricultura industrial em energia intensiva, larga escala e despovoamento territorial; Os sistemas de design de permacultura, por outro lado, são intensivos em design e informação. Porém, para o sistema de poder na atual economia de consumo, uma vida de frugalidade voluntária massiva, de reduzida dependência de insumos e produtos externos, como o proposto pela permacultura, torna-se uma ameaça à sua lógica e aos seus interesses. Portanto, propostas desse tipo são desqualificadas como impraticáveis, utópicas, pré-modernas, não científicas e marginalizadas de todo apoio e financiamento acadêmico e institucional.

Breve introdução à permacultura

A permacultura é um conceito prático que pode ser aplicado tanto na cidade como no campo e em áreas de vida selvagem. Seus princípios nos estimulam a estabelecer ambientes altamente produtivos, provendo alimentos, energia, habitação e outras necessidades materiais e não materiais que incluem infraestrutura social e econômica. O conceito foi desenvolvido na década de 1970 por Bill Mollison e David Holmgren na Austrália, e foi ensinado como um sistema aplicado de design desde 1981. Originalmente, permacultura é a contração da "agricultura permanente" e da "cultura permanente". Ele projeta e nutre ecossistemas produtivos que têm a estabilidade, diversidade e flexibilidade dos ecossistemas naturais. O designer de permacultura, por meio da observação cuidadosa dos padrões e características naturais de um lugar particular, pode gradualmente discernir os métodos ideais para integrar os sistemas de habitação e energia com o plantio de árvores, plantas comestíveis, animais selvagens e domésticos e aquicultura. Por sua vez, a permacultura aproveita todos os recursos e combina o maior número de funções em cada elemento da paisagem e tantos elementos quanto possível em cada espaço vertical e horizontal. O excesso ou desperdício produzido por plantas, animais e atividades humanas é usado para beneficiar outras partes do sistema. São usadas associações particulares de árvores, trepadeiras perenes, arbustos e plantas rasteiras que alimentam e protegem umas às outras. Espelhos de água e outros elementos são construídos para aproveitar a grande diversidade da atividade biológica na interação dos ecossistemas. A implementação de um projeto de permacultura requer flexibilidade e uma sequência apropriada para que as mudanças possam ser feitas conforme a observação e a experiência exigirem. A criação de um ambiente em permacultura é um processo longo e gradual, utilizando técnicas e princípios da ecologia, tecnologia adequada, agricultura sustentável e sabedoria dos povos primordiais, embora se baseie essencialmente principalmente na observação direta da natureza do local. Quanto mais intensamente produtivas as áreas residenciais se tornam, mais viável é preservar a floresta natural remanescente e outras áreas selvagens da destruição.

A permacultura praticada em larga escala possibilita que terras anteriormente dedicadas à monocultura e extração de combustível sejam liberadas para restauração e refúgio de vida selvagem. Devido à sustentabilidade inerente ao sistema de cultivo perene, a permacultura dá ênfase especial ao cultivo de árvores. Sistemas que integram árvores com culturas anuais e perenes - consorciação e agrossilvicultura - aproveitam o "efeito de borda", aumentando a diversidade biológica e oferecendo outras características que faltam aos sistemas de monocultura. Assim, sistemas multiculturais que misturam lenhosos com perenes e anuais são técnicas viáveis ​​para o cultivo em larga escala. Os métodos ecológicos tradicionais de produção agrícola (por exemplo, práticas de construção do solo, controle biológico de pragas, compostagem, etc.) são eixos centrais para a permacultura, bem como para a agricultura sustentável em geral.

A permacultura não é um sistema de produção em si, mas uma filosofia de planejamento do uso da terra e não se limita a um método específico de produção. Além disso, os princípios da permacultura podem ser adaptados a pequenas fazendas ou grandes campos e são receptivos a técnicas de produção adaptadas localmente. Métodos comuns de jardinagem e reciclagem são: a horta comestível, plantações em "buraco da fechadura", plantas companheiras, treliças, cobertura morta com folhas de jornal ou papelão, tratores de galinhas, estufas solares anexadas à casa, espirais de ervas, trincheiras de infiltração e vermicultura. Sistemas de coleta, gestão e reuso de água, como “keyline” (sistema de conservação de água); sistema de purificação de água cinza e / ou preta; captação de água da chuva; construção de sistemas aquáticos, como hidroponia, lagoas; e lagoas de água solar (também conhecidas como "Máquinas Vivas") desempenham um papel importante nos projetos de permacultura.

Permacultura na Ecovilla Gaia de Navarro

-Energia eólica
A autossuficiência de energia elétrica é alcançada inteiramente dentro da ecovila. Depois de analisar várias possibilidades, a geração eólica foi escolhida. Atualmente contam com uma usina argentina de 900 watts e dois equipamentos espanhóis de última geração de 1500 watts e 3000 watts, formando assim um pequeno parque eólico com uma potência instalada de 5400 watts. Essa energia é acumulada em 48v, em um banco de 16 baterias de 220 amperes cada, que são convertidas para 220v graças a um inversor de 2500 w. A partir desta central de acumulação, a eletricidade é distribuída para os diferentes edifícios, todos subterrâneos. A experiência está sendo estudada continuamente por meio de um anemômetro com sistema de acumulação de dados que realiza um estudo de desempenho de cada equipamento e avalia corretamente o recurso eólico da área.


- Construções naturais
No Projecto Ecovilla Gaia foram construídas casas ecológicas com elevada eficiência energética, à base de terra, palha, madeira e bambu, como principais materiais, demonstrando que é possível construir com um custo mínimo e máximo de benefícios energéticos, funcionais e estéticos. Utilizando a técnica de modelagem direta, um antigo sistema construtivo monolítico feito com terra, areia, palha e água, os moradores construíram um grande centro comunitário, suas próprias casas e a casa para baterias e equipamentos eletrônicos do sistema eólico. Encontra-se em fase de conclusão uma obra especialmente dedicada a biblioteca e banco de sementes, com condições climáticas controladas. É difícil encontrar uma linha reta nessas construções, que ao invés, quando modeladas à mão (por seus próprios futuros ocupantes com a cooperação de toda a comunidade), cada uma se torna uma espécie de habitats escultóricos, nos quais a funcionalidade e a estética vêm. juntos em uma solução de habitação única e personalizada.

- Sistemas de toalete seco
Desde o início da Ecovila, banheiros secos têm sido construídos com minhocas californianas, graças a um novo design desenvolvido em uma ecovila na Austrália e aprimorado pelo Instituto Argentino de Permacultura. Por meio dessa técnica, os vermes digerem os excrementos, transformando-os no "composto de minhocas" ou "carcaças de minhoca", o fertilizante orgânico mais importante do reino vegetal. O design permite um uso simples e a manutenção de boas condições higiênicas, nas quais o usuário pode "entregar sua contribuição à natureza" de forma confortável, fechando assim um ciclo de trocas de energia.

Respostas à globalização

No modelo baseado no uso de energia fóssil, a cultura humana, a agricultura e a biodiversidade foram substituídas por uma monocultura global em todos os níveis. A sociedade de consumo tornou indivíduos, famílias e comunidades dependentes de recursos e serviços externos em um nível sem antecedentes históricos. A permacultura é uma proposta para atuar localmente e produzir a maior parte de nossas necessidades.

A visão de futuro de uma sociedade que reduz o nível de consumo de energia pode ser vista como um metamodelo, como um longo e profundo caminho de mudança: de consumidores dependentes e exigentes a produtores responsáveis ​​e interdependentes. Nesse sentido, a permacultura oferece ferramentas para quem deseja liderar essa transição e optar por produzir soluções práticas e expressões integradas dessa realidade, mesmo que o restante da sociedade não esteja preparado para dar esse salto. Muitas organizações ambientais estão focadas na mudança de comportamentos de governos, burocracias, corporações e mídia, com foco em uma estratégia de mudança "de cima para baixo". Por outro lado, para a permacultura é uma prioridade desenvolver estratégias de mudança nos indivíduos e nas comunidades locais que permitam o desenvolvimento de exemplos replicáveis ​​“de baixo para cima” para avançar em direção a mudanças massivas. Oferece ferramentas para aumentar a autossuficiência e autorregulação, resultando em um dos processos mais potentes para a redução do impacto no meio ambiente e para uma lenta reorganização do ciclo produção-consumo. Essa autossuficiência tende a estimular e fortalecer uma nova forma de economia local.

Projetos de permacultura buscam que os elementos do sistema sejam tão autônomos quanto práticos. Devido à autonomia do sistema projetado, os elementos podem redescobrir um novo ponto de partida para evoluir em direção a um novo sistema quando o antigo se torna disfuncional e instável.
Selecionando espécies de árvores rústicas para reparar, utilizando uma casa de banho ecológica ou reduzindo o estatuto de membro privilegiado da casa, fortalecemos-nos e contribuímos para um mundo mais harmonioso. Esse modo de vida em nossa casa é potencializado quando geramos relações de cooperação, fora das grandes estruturas institucionais.

* Instituto Argentino de Permacultura: O Instituto, criado em 1996, funciona como um centro de pesquisa e educação para promover a permacultura na América Latina; Está localizada na Ecovilla Gaia, Navarro, Província de Buenos Aires. Mais informação: www.gaia.org.ar

INTI- Know How - Julho 2007


Vídeo: Semana da Permacultura - Princípios Éticos e Metodologia de Design (Julho 2022).


Comentários:

  1. Tobey

    I think it's an excellent idea.

  2. Cermak

    Vou balançar, sobre a qualidade e depois comentar. Tenha uma boa visualização!

  3. JoJotaur

    E o que dizer aqui?

  4. Sousroqa

    Completo gosto ruim



Escreve uma mensagem