TÓPICOS

Despovoamento de colmeias na Galiza - Espanha devido à ação de agentes neurotóxicos

Despovoamento de colmeias na Galiza - Espanha devido à ação de agentes neurotóxicos


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Por Rafael M. Díaz Nieto

Nos últimos anos estamos presenciando, alarmados e desamparados, uma grande diminuição do número de polinizadores, tanto de abelhas que estão nas mãos do homem quanto do restante dos insetos selvagens. Como poderia ser de outra forma, a mão do homem tem muito a ver com esse problema.

fundo

Desde os tempos pré-históricos, o homem soube aproveitar o trabalho incansável das abelhas: egípcios, gregos, romanos ..., a história e evolução do homem está intimamente ligada à abelha. Durante séculos sua cera iluminou nossas noites, e seus produtos nos alimentam e até nos curam, e não somos a única espécie no planeta que o faz, pois o principal valor da abelha não reside nos produtos que colhe, mas nos seu trabalho essencial como polinizador de espécies vegetais, que otimiza o rendimento das culturas e garante a biodiversidade do meio ambiente. A abelha, sendo o principal e mais eficaz polinizador, desempenha um papel fundamental na natureza, pois mais de 70% das espécies vegetais requerem o seu laborioso bom trabalho para a sua reprodução. O desaparecimento da abelha acarretaria um sério problema de manutenção e equilíbrio da natureza.


Nos últimos anos estamos presenciando, alarmados e desamparados, uma grande diminuição do número de polinizadores, tanto de abelhas que estão nas mãos do homem quanto do restante dos insetos selvagens. Como poderia ser de outra forma, a mão do homem tem muito a ver com este problema, que podemos qualificar, sem dúvida, como o maior problema da apicultura dos últimos tempos.

Há uma década, a União Nacional dos Apicultores Franceses (UNAF), alertava para a diminuição das populações de abelhas, devido ao uso de inseticidas sistêmicos neuronais que utilizam o Imidaclopride e o Fipronil como princípios ativos.

IMIDACLOPRID E E FIPRONIL. CAUSANDO A DESPOPULAÇÃO DOS HIVES.

Esta nova geração de substâncias ativas sistêmicas neurotóxicas é comercializada na Espanha desde meados da década de 1990, embora seu uso tenha se popularizado por volta de 2000. As abelhas afetadas perdem seu sistema de orientação e não podem retornar à colmeia, portanto, a colméia está perdendo população até lá não são abelhas É fato comprovado que o envenenamento gradual das abelhas afeta inicialmente as colmeias mais populosas e poderosas do apiário.

Esses produtos agem nas plantas de forma sistêmica, envenenando-as por dentro, com o qual o agrotóxico aparece no pólen e no néctar. Se forem as sementes que foram tratadas, o veneno fica no solo e é absorvido pelas plantas que crescem depois na área semeada. Esse efeito colateral perdura no campo por pelo menos 2 anos, e com eficiência suficiente para continuar matando as abelhas e eliminando a fauna do solo. Ao final do processo, as colmeias são deixadas vazias de abelhas e com a ninhada tampada e as reservas intactas.

"Não é mais ciência e tecnologia que o campo precisa, mas mais coração"

Claude bourgignon

IMIDACLOPRID.- Há alguns anos Nihon Bayer Agrochemicals K.K. desenvolveu um grupo de moléculas chamadas "neunicotinóides" derivadas da nicotina. Sua ação mortal em insetos é exercida sobre o sistema nervoso central, bloqueando irreversivelmente os receptores nervosos.

Os produtos fitossanitários que contêm imidaclopride são usados ​​como spray para tratar pulgões e outros parasitas, bem como para o tratamento de sementes de batata, milho e outros cereais ou leguminosas.

O imidaclopride é 10.000 vezes mais poderoso que a própria nicotina e se divide em oito metabólitos, às vezes com ação mais poderosa do que a própria substância ativa.

FIPRONIL.- Descoberto pelos laboratórios franceses Rhone Poulenc no final da década de 80, o fipronil é o princípio ativo do inseticida comercializado como Regent TS, comercializado desde 1997 para o tratamento de sementes de milho, girassol e outros cereais.

Seu principal objetivo é lutar contra as larvas, mas os insetos que entram em contato, inclusive as abelhas, morrem por superexcitação, pois afeta as transmissões nervosas.

O fipronil também está contido em produtos de jardinagem e veterinários para matar parasitas em animais de companhia.

A Agência de Proteção Ambiental dos EUA classificou o fipronil como cancerígeno (um produto que pode causar câncer) porque os animais de laboratório expostos a ele desenvolveram tumores benignos e malignos da tireoide. Um dos produtos resultantes de sua decomposição pela luz (fipronil-desulfinil) é dez vezes mais tóxico que o próprio fipronil.

Suas principais marcas registradas são:

-Imidacloprid (Bayer) .- Gaucho ® (80% imidacloprid), para proteção de sementes (milho, girassol, feijão, etc.), e Confidor® (20%) e Escocet ® (35%) para aplicação em spray em frutas árvores, legumes e vegetais.

-Fipronil (Basf) .- Regent ®, também para o tratamento de sementes, e anti-pulgas de animais domésticos.

É paradoxal que o Confidor, com 20% de matéria ativa, indique em suas instruções de uso "muito perigoso para as abelhas" e o resto dos produtos, com percentagens muito superiores, não faça menção ao seu alto perigo.

Um dos pesquisadores que mais estudou o fenômeno é o francês Marc Edouard Colin, da Universidade de Montpellier, que afirma: “Com os inseticidas tradicionais são necessários vários microgramas para matar uma abelha. Porém, com cinco nanogramas de fipronil descobrimos que morram. É um milésimo disso com os produtos tradicionais. "

SITUAÇÃO ATUAL

O problema é generalizado na Europa e afeta igualmente em todos os países onde esses produtos são comercializados.

FRANÇA.- O efeito na França, dizem os apicultores, é uma produção menor, 90 bilhões de abelhas mortas em 10 anos devido aos agrotóxicos, e um aumento de 24% na importação de mel em um país que foi um dos principais produtores europeus. O UNAF estima a perda de 1.000.000 de colmeias nos últimos anos, liderou protestos contra esses pesticidas, levando o caso à justiça e promovendo ações como as manifestações em frente à fábrica da Bayer em Cremony em outubro de 2000.

A Bayer CropScience France, ex-fabricante do Regent TS, e seu CEO, Franck Garnier, foram processados ​​por um juiz francês, que ordenou a suspensão preventiva do referido inseticida.

O mesmo juiz então processou a empresa alemã BASF Agro e seu presidente, Emmanuel Bustream, atuais fabricantes da Regent TS, por "venda de produtos agrícolas tóxicos prejudiciais à saúde humana ou animal".

Intoxicação crônica pela ingestão de néctar contaminado, em poucos dias a abelha forrageadora acaba apresentando distúrbios de memória e orientação, além de fisiológicos. A abelha não consegue retornar à colmeia.

ALEMANHA, BÉLGICA E ITÁLIA.- Em geral, fala-se em mortalidade de 50%, e atualmente vários testes e estudos estão sendo realizados a nível governamental, e grandes protestos por parte dos apicultores.

ESPANHA.- Na Galiza este problema ocorre de forma desigual, todas as regiões com atividade agrícola ou pecuária são fortemente afetadas e as suas percentagens de incidência aumentam. As áreas de floresta autóctone estão sendo preservadas e até recentemente a floresta litorânea composta principalmente por grandes extensões de eucalipto. Agora que o goníptero do eucalipto começa a ser tratado com o Confidor (imidaclopride), já não existem zonas seguras na costa galega.


Os apicultores galegos da região de Ferrol (La Coruña) foram dos primeiros a sofrer com o problema. A causa aparente pode ser atribuída à grande dispersão da população rural existente, com seus correspondentes pomares e fazendas de frutas, todos muito modernizados e supostamente bem tratados. Em nossa região existem cerca de 25 cooperativas agrícolas, sendo tantas lojas e armazéns onde o produto estrela no combate aos parasitas em geral são os restos neurotóxicos. Tudo isso, o que causa é que há seis anos sofremos uma terrível mortalidade que está dizimando nossos apiários, neste curto período perdemos mais de 80% do rebanho apícola.

Pode-se constatar que municípios como Narón, Moeche e San Saturnino, com uma tradição apícola profundamente enraizada e desenvolvida, as colmeias desapareceram por completo.

Há 6 anos esta região contava com 125 membros da Associação Galega de Apicultura (AGA), agora restam apenas 38, dos quais mais da metade estão sem abelhas.

O mal que o desaparecimento de nossos amigos e colaboradores as abelhas produz está no meio ambiente, pois não afeta igualmente em todos os lugares, e claro que não é causado pelas doenças típicas, bem conhecidas pelos apicultores, nem derivadas da presença de vírus. De acordo com os laudos referenciados ao final, os novos pesticidas neurotóxicos remanescentes (fipronil e imidaclopride) são intoxicação lenta e subletal, produzindo a perda de orientação da abelha, e conseqüentemente o despovoamento total das colmeias, deixando a ninhada e toda a ninhada intacta, querida. Não há sintomas, as colmeias simplesmente perdem população até ficarem sem abelhas. O fato de demorar, ao realocar as colmeias afetadas em áreas virgens sem tratamentos agrotóxicos, e que com o tempo elas se recuperam, nos faz pensar que a causa da doença são os remanescentes neurotóxicos IMIDACLOPRID e FIPRONIL, tão usados ​​hoje.

Aqueles de nós que podem no momento resistir à tempestade realocando os apiários em locais livres desses tratamentos, que em geral são as grandes extensões de eucaliptos tão abundantes nessas latitudes. Agora, com o gonipterus sendo discutido com o Confidor, não há mais assentamentos seguros.

ESTUDOS TÉCNICOS E EVIDÊNCIAS CONCLUÍDAS

Testes práticos realizados na região de Ferrolterra.- Em várias ocasiões agimos da seguinte maneira, antes do aparecimento dos primeiros sintomas, onde se detectou uma perda mínima de população, deslocamos metade do apiário para áreas livres de agrotóxicos tratamentos, suprimindo-os tabelas com reservas de pólen. As colmeias realocadas sobreviveram e se recuperaram, enquanto as não realocadas ficaram sem população em um curto período de tempo.

Estudos realizados em águas fluviais pelo Departamento de Tecnologia Química e Meio Ambiente do Departamento de Engenharia Industrial II da Universidade de La Coruña.- Devido às preocupações sobre o assunto manifestadas pelo município de Narón, foi realizado um trabalho de pesquisa sobre águas do rio com resultados muito preocupantes obtidos. A obra foi tornada pública no dia 11 de maio, um breve resumo da mesma é feito a seguir:

Não.

MOSTRA

REGATOLUGAR, COLOCAR

FIPRONIL (mg / L)

Microgramas / litro

IMIDACLOPRID

mg / L

1OR SALGUEIROFREIXEIROMENOR 0,060,18
2RIO HIDALGOLOCALIZAÇÕES0,150,11
3RIO BELLOPEDROSO0,120,52
4RIO ACEITEIROSILVALONGA0,230,27
5REGO DO VALOU VAL0,360,18

Todas as amostras de água colhidas apresentam concentrações superiores ao limite de detecção da técnica para IMIDACLOPRID, mas no caso do FIPRONIL uma das amostras, especificamente a Amostra nº 1, apresenta valores inferiores a 0,06 mg / L.

Também consideramos interessante recolher como informação necessária os valores que sobre a presença de pesticidas na água estão incluídos na legislação espanhola.

LEGISLAÇÃO
Poluente(1)(2)(3)(4)
DDT (total)25µg / L0,8 mg / L
Aldrin10 ng / L0,02 mg / L
Dieldrin10 ng / L
Endrin5 ng / L
Isodrin5 ng / L
Atrazina1 µg / L1 µg / L
Diclorobenzeno20 µg / L20 µg / L

Pesticidas

  • Individual
  • Conjunto

0,1 µg / L

0,5 µg / L

(i) Qualidade das águas dos estuários da Galiza (Lei 8/2001).

(ii) Objetivos de qualidade no Regulamento de Domínio Público Hidráulico (RD995 / 20009).

(iii) Limites de emissão de descargas de águas residuais para os estuários da Galiza (Anexo IV da Lei 8/2001).

(iv) Concentrações máximas permitidas na água potável (RD 1138/1990).

De acordo com a legislação em vigor, sobre os valores de presença de agrotóxicos na água, valores da ordem dos nanogramas podem ser vistos para diversos produtos, ou seja, bem inferiores aos encontrados nas amostras em estudo em pequenos rios do Rio área estudada.

LD50 (nanogr) / abelha
Por ingestãoPor contato
Imidaclopride4,524
Fipronil46

Marce E. Colin.- Para matar uma abelha são necessários vários microgramas de inseticidas convencionais. Porém, com cinco nanogramas de neurotóxico, eles já morrem. É um milésimo disso com produtos convencionais.

Na Resolução B5-0000 / 2003, de 23 de junho de 2003, do Parlamento Europeu sobre as dificuldades enfrentadas pela apicultura europeia (ver informações de referência), entre outras coisas, é afirmado o seguinte: Ponto A: “… Os apicultores têm de enfrentar graves problemas relacionados com a perda do rebanho apícola (acima de 80%)… PB:… a perda continua a piorar de ano para ano. P.D: .. observa-se uma sincronização geográfica e temporal no aparecimento desses sintomas, devido ao uso de novas gerações de substâncias ativas sistêmicas neurotóxicas. PE:… os sintomas são novos e não se assemelham a outras patologias já conhecidas e controladas pelos apicultores. FP:… esta nova geração de produtos (em particular IMIDACLOPRID e FIPRONIL) usados ​​em doses extremamente baixas (alguns ppb) têm efeitos tóxicos. . PK: ... hoje sabemos que de 2% a 3% da população sofre de patologias ligadas a disfunções do sistema nervoso em locais diretamente afetados por produtos neurotóxicos ... PL- Considerando que o agricultor deve ser evitado a qualquer preço enfrentam mais uma vez uma escandalosa contaminação alimentar do tipo “EEB”, da qual não seriam responsáveis, mas sim as primeiras vítimas. Q. I.- Solicita que sejam tomadas medidas preventivas quanto à utilização dos restantes produtos neurotóxicos das novas gerações.

Estudos pelo Dr. Marc E. Colin, do Departamento de Patologia Comparada da Universidade de Montpellier (França). Trabalho publicado nas revistas especializadas "Lábeille de France et lé apiculteur" (nº 908, Nov. 2004) e na Vida Apícola (nº 128, Nov./Dez. 2004).

Suas conclusões são claras e conclusivas, esses produtos produzem tremores nas abelhas, comportamento exagerado de limpeza, má orientação e, por fim, o desaparecimento de forrageiras, não necessariamente ligado à mortalidade em frente à piquera; sintomas muito diferentes daqueles causados ​​por doenças virais. O imidaclopride é um nicotinóide que atua no sistema nervoso central. É 10.000 vezes mais potente do que a própria nicotina e causa tremores, cãibras e fraqueza muscular imensa que leva à morte do inseto. Ele se divide em 8 metabólitos, às vezes com uma ação inseticida mais forte do que o próprio material ativo. Ele também diz que os receptores de imidaclopride já foram encontrados no homem.

O fipronil pertence à família dos fenilpirazol e sua ação e características são muito semelhantes às do imidaclopride. Em relação à contaminação em plantas, este trabalho mostra valores médios no milho de 3,5 microgr./kg no pólen e 1,9 microgr./kg que a dose letal 50 (DL50) da abelha é 4,5 ng (mil vezes menor que a micro ) por ingestão e 24 ngr por contato. Em relação ao fipronil, os dados foram 4 ngr por ingestão e 6 ngr por contato. Abelhas alimentadas por 10 dias com xarope contaminado com 0,1 microgr / kg de imidaclopride causaram a mortalidade de 40% das abelhas. Com xarope contaminado com fipronil com 0,01 microgr, causou a morte de até 65% dos indivíduos após 10 dias. Para Colin esses inseticidas representam um sério problema para o meio ambiente devido à dispersão de moléculas altamente tóxicas no ar, na água e no solo, mas mesmo para os consumidores que poderiam encontrar essas toxinas no leite de animais alimentados com silos de milho Regent ou na irrigação ou na bebida água.

Estudos do Dr. Claudio Porrini, do Departamento de Ciências e Tecnologia Agroambiental da Universidade de Bolonha (Itália). Em sua palestra proferida no Simpósio de Apicultura do Mediterrâneo, ele disse o seguinte: Alguns dos novos inseticidas não causam alta mortalidade das abelhas, mas podem afetar seriamente o comportamento das abelhas, portanto, além da mortalidade das abelhas, também o desenvolvimento da colônia e outros fatores precisam ser monitorados. É necessário, observou ele, alterar os protocolos de estudo para analisar e verificar esses efeitos. Nesse sentido, ele explicou alguns testes realizados com o imidaclopride, já que haviam sido detectados problemas na Itália com o cultivo do milho tratado com o gaúcho. Curiosamente, sempre após a semeadura do milho com as sementes revestidas com este produto, já que com a semeadora o imidaclopride se dispersava no meio ambiente. Os testes realizados por abelhas em treinamento para coletar o xarope de uma fonte contaminada com diferentes concentrações dessa matéria ativa mostraram que 30-60 minutos após a ingestão, as abelhas permaneceram “drogadas” por cerca de duas horas e então quando “acordaram” não mais eles sabiam como voltar para suas colmeias.

INICIATIVAS REALIZADAS POR APICULTORES GALICOS

1.- Conseguimos unir forças com todos os grupos ambientalistas da Galiza e parte dos sindicatos agrários. E publicamos em conjunto um folheto informativo sobre o assunto.

2.- Entre todos nós estamos a apresentar moções em todas as Câmaras Municipais para editar uma secção desaconselhando a utilização de pesticidas neurotóxicos sistémicos, nomeadamente: Confidor em pomares, Milho com Gaúcho ou Regente, Fumigação de eucalipto com Confidor, Desparasitar para animais de estimação com esses produtos.

3.- Realizamos conferências de imprensa em todas as regiões da Galiza, informando da catástrofe e dos perigos para as abelhas, o ambiente e a saúde humana que sofremos de forma silenciosa.

4.- Estudos em andamento.- Estamos realizando um estudo toxicológico patrocinado pelo Ministério de Assuntos Rurais e em paralelo com o Departamento de Tecnologia Química e Meio Ambiente do Departamento de Engenharia Industrial II da Universidade de La Coruña.

PARA INFORMAÇÕES ESTENDIDAS

  • Imidacloprid and Fipronil Studies. Dr. Colin do Laboratório de Patologia Comparada da Universidade de Montpellier (França). "Labeille de France et lé apiculteur", nº 908, Nov.2004. Revista Vida Apícola, nº 128, Nov./Dez. 2004.
  • A abelha como bioindicadora do Meio Ambiente. www.vidaapicola.com/técnica/indice.html
  • Dossiê de imprensa do UNAF. “A abelha e o homem em perigo - A abelha fusível ambiental”. Paris, 23 de janeiro de 2006. Disponível em: http://apiculturagalega.org.
  • Estudos realizados em águas fluviais pelo Departamento de Tecnologia Química e Ambiente do Departamento de Engenharia Industrial II da Universidade de La Coruña
  • Apitalia, No. 532-200
  • Abeilles e Cie, 99, mars-avril 2004-07-07. - Actu API 25. 1-2004
  • Revista Abelleira de AGA, nº 83- verão 2004. Desaparecimento de abellas.
  • Revista Terra do Círculo Gacela, Out./Dez. 2004.- Mortalidade apícola.
  • Apresentação "Mortalidade apícola em Ferrolterra por agrotóxicos" do "I Fórum Galego de Apicultura", http://apiculturagalega.org
  • www.europarl.eu.int/meetdocs/committees/envi/20020422/454200es

Informações disponíveis na Internet

  • www.relca.net/oca/plaguicidas/providencia
  • www.vidaapicola.com/noticias/inter/gaucho
  • www.agrodigital.com/ganaderia/apiculturawww.bayercropscience.cl/msds/confidorsupra51wp.pdf
  • www.juntaex.es/consejerias/aym/dgpifa/sanidad%20vegetal
  • www.telecable.es/personales/cbpa/laplaga
  • www.terralia.com/revista15/pagina8
  • www.bayercropscience.cl/folletos/confidor

* Rafael M. Díaz Nieto - Presidente da Cooperativa Apícola do Noroeste “APINOR”. - Chefe da Delegação de Ferrolterra da Associação Galega de Apicultura. http://apiculturagalega.org Postado em http://www.apitrack.com


Vídeo: 1ª DIVISÃO DE COLMÉIAS DE ABELHAS DO APICULTOR INICIANTE. (Junho 2022).


Comentários:

  1. Forsa

    É uma pena que eu não possa falar agora - estou correndo para o trabalho. Mas serei lançado - definitivamente escreverei que penso nessa pergunta.

  2. Rodd

    Parabéns, esta é simplesmente uma excelente ideia

  3. Tuketu

    Lamento interromper você, mas, na minha opinião, há outra maneira de resolver o problema.

  4. Mekazahn

    Sinto muito, mas, na minha opinião, eles estavam errados. Proponho discuti-lo. Escreva-me em PM.

  5. Nilrajas

    Anuka!

  6. Martinez

    Eu te parabenizo, seu pensamento é muito bom

  7. Ken

    Eu também pareço estúpido

  8. Kagam

    Você permite o erro. Eu posso provar. Escreva para mim em PM, nós lidaremos com isso.



Escreve uma mensagem