TÓPICOS

Plano para reativar as economias dos países devedores com desenvolvimento social e cancelamento da dívida

Plano para reativar as economias dos países devedores com desenvolvimento social e cancelamento da dívida


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Pelo Dr. Oscar Natalichio

Principais características:

Em relação ao Governo que o aplica

a) Oferece uma solução definitiva para o problema habitacional, eliminando o déficit habitacional.

b) Gera, desde o início, milhares de empregos em diversos níveis e atividades, estáveis, legais e duradouros.

c) Aumenta consideravelmente a receita das contas nacionais e possibilita o crescimento do PIB.

d) Ativa fortemente o Mercado Interno, em particular porque os insumos utilizados são quase inteiramente de origem local.

e) Permite reduzir gradativamente o déficit do orçamento nacional até a sua eliminação e também permite acabar com a dívida externa mediante seu cancelamento.

Em relação aos credores

a) Permite recuperar 100% do capital emprestado.

b) Nesse período, continua gerando juros o capital inicial do plano, ora pactuado.

c) Permite recuperar 100% dos juros pactuados sobre o capital no início.

d) Você recebe juros sobre os juros reciclados aplicados ao plano.

e) Num prazo máximo de 35 anos, recupera o capital com a totalidade das suas participações.

É um Plano que permite pagar até a anulação da dívida externa com um forte crescimento da economia social com redução da pobreza e do desemprego. O exemplo que se segue baseia-se nos dados da Argentina, mas o Plano é válido para qualquer país que cumpra apenas esta única condição: Os montantes dos juros da dívida pública, incluídos no orçamento nacional como despesas, devem ser superiores ao défice desse orçamento se manifesta.

A viabilidade do plano:

Que razão os credores poderiam dar para não aceitar um plano que garante o retorno do capital emprestado e dos juros?

Que motivo poderiam os governos não tentar implementar um plano que gere empregos imediatos, desenvolva o mercado interno, reduza a pobreza, resolva o problema da habitação, melhore a arrecadação, aumente o PIB e acabe com o endividamento?

Que motivo poderiam as organizações internacionais como o FMI, o Banco Mundial e outros rejeitarem um plano que permite aos governos superar a pobreza e eliminar o déficit; O que permite aos credores resgatar o que foi emprestado e o que lhes dá participação no acompanhamento de toda a operação para que seja possível, transparente e eficiente?

Breves referências sobre o autor do Plano:

Contador Público Nacional. Economista. Escritor. Quatro livros publicados (os dois concorrentes mereceram o maior prêmio do SADE: a? Faixa de Honra?). Grande experiência na gestão de empresas em crise grave (mais de 25 anos). Aconselhamento para PME. Desenvolvimento de Cooperativas de Trabalho. Conferências sobre temas econômicos.

Professora da Universidade Popular das Mães da Plaza de Mayo. Membro da Associação Héctor P. Agosti

——————

Con los montos reciclados al crecimiento de la economía, se llevará a cabo un PLAN NACIONAL UNIFICADO DE CONSTRUCCIÓN DE VIVIENDAS con el objetivo de construir 6.340.000 unidades sólidas y confortables en 25 años, generando desde el primer año, más de 500.000 nuevos puestos fijos de trabalho.

PLANO DE REATIVAÇÃO DA ECONOMIA NACIONAL COM CANCELAMENTO DA DÍVIDA PÚBLICA USANDO SEUS EFEITOS PARA O DESENVOLVIMENTO E CRESCIMENTO DO PAÍS

0? INTRODUÇÃO:

O início em 2001 de um novo milênio constitui uma oportunidade propícia para realizar mudanças transcendentais que permitam melhorar a qualidade de vida de milhões de seres humanos que hoje vivem na pobreza, na miséria e na extrema marginalidade.

Esta oportunidade permitirá que os grupos financeiros internacionais contribuam efetivamente para esta mudança tão necessária, a fim de considerar que estamos entrando no terceiro milênio com uma forte cota de humanismo.

Esta contribuição significa: cancelar a dívida dos países extremamente pobres por um lado e aprovar a reciclagem dos pagamentos de juros no resto dos países, por outro. A condição para ter acesso à reciclagem é que os valores assim considerados sejam utilizados (depois de fazer desaparecer o déficit) em planos que atendam ao desenvolvimento de seus povos e à eliminação ou redução da pobreza.

O Plano apresentado neste trabalho aponta para o segundo caso, e seus números correspondem a um modelo teórico muito próximo da realidade argentina, mas o próprio plano pode ser aplicado, sem complicações, em qualquer país que atenda a esta única condição:

Os juros ou serviços de sua dívida pública, incluídos como despesas (compromissos reais a pagar) no orçamento nacional anual, devem ser maiores que o déficit que contém o mesmo orçamento.

Este plano é viável?… SEM DÚVIDAS.

Não só ajuda a reativar a economia, reduzir a pobreza e gerar empregos estáveis, mas também permite que os credores recuperem o capital com seus juros razoáveis ​​incluídos, juros que passam a receber desde o início do plano.

Há alguma razão para que as organizações financeiras internacionais se oponham? ... NENHUMA.

Essas organizações e os países industrializados devem apoiar essa saída, viabilizando acordos e aprovando taxas preferenciais sobre as quantidades recicladas. Ao mesmo tempo, os governos nacionais que promovem o Plano devem complementar seus efeitos, que anula a dívida pública com o maior esforço por parte de quem compra as moradias, que são os menos ricos. Essa complementação é alcançada tributando os setores mais ricos com uma alíquota mais elevada. Desta forma, o esforço será mais equitativo e os Estados Nacionais receberão uma receita adicional que lhes deve permitir responder com eficácia aos problemas não resolvidos de saúde, educação e velhice.

Profetas de todo o mundo e tempos anunciaram o ano 2000 como o fim do mundo. Para centenas de milhões de seres humanos, a profecia parece ter se cumprido. No entanto, você pode evitar:

O terceiro milênio pode e deve ser iniciado com espírito renovado, globalizando a cooperação e a solidariedade para alcançar uma vida digna para os seres humanos que habitam nosso único planeta, com trabalho e esperança para o futuro.

1. O PLANO CONSISTE EM:

Reciclar os valores atribuídos no orçamento nacional para pagar os serviços da dívida pública.

Para isso, as seguintes condições devem ser atendidas:

a) Que não haja déficit no orçamento nacional e

b) Se houver défice, seja inferior aos montantes atribuídos, no mesmo orçamento, ao pagamento dos serviços da dívida.

Desta forma, os valores reciclados são compostos: pelos valores necessários para cobrir o déficit mais os destinados a aplicar no desenvolvimento da economia do país. Havendo sobras, as sobras (valores não reciclados) serão aplicadas à finalidade para a qual foram originalmente destinadas, ou seja, ao pagamento de juros ou serviço da dívida. Os referidos excedentes são produzidos porque os valores disponíveis superam os necessários para o desenvolvimento do Plano.

Continue aplicando, sobre o montante da dívida pública no início do plano e ao longo dos 25 anos que durar, os juros correspondentes, tentando através de acordos que não ultrapassem 6% ao ano. Tais participações serão recicladas com exceção dos excedentes já mencionados.

Sobre os valores reciclados, aplicar os seguintes critérios: aos valores destinados a pagar o déficit orçamentário, é aplicada uma taxa de 4% ao ano. Sobre os valores destinados ao desenvolvimento do Plano de Crescimento é aplicada uma taxa de 2% ao ano. Esses critérios (e taxas) devem ser cumpridos com as instituições financeiras internacionais, pois permitem o pagamento tanto dos juros quanto do principal da dívida, e apenas os juros dos reciclados terão taxa preferencial.

Com os valores destinados ao crescimento da economia, será realizado um PLANO NACIONAL UNIFICADO DE HABITAÇÃO com o objetivo de construir 6.430.000 moradias sólidas e confortáveis ​​em 25 anos.

2. OS OBJETIVOS DO PLANO:

1. Alcance a reativação industrial de forma massiva e imediata.

2. Reduzir drasticamente o desemprego e o trabalho precário.

3. Resolver definitivamente o problema do déficit habitacional na Argentina.

4. Anular definitivamente a dívida pública legítima e seus interesses.

5. Não volte a recorrer ao financiamento internacional. Não fique endividado.

6. Atingir um orçamento nacional sem déficit.

7. Atingir o superávit do orçamento nacional.

8. Melhorar a situação dos aposentados, saúde, educação, cultura e esporte.

9. Construir obras de infraestrutura que melhorem a qualidade de vida dos cidadãos.

10. Resgatar o papel do Estado nas Grandes Empresas Nacionais com participação cidadã.

3. OS DADOS E AS CONDIÇÕES BÁSICAS DE INICIAÇÃO DO PLANO:

1. O Estado Nacional ou Provincial cederá os terrenos públicos necessários à construção das moradias. Caso não haja imóveis públicos nos locais determinados, eles serão desapropriados, indenizando o proprietário preferencialmente com outras terras (permuta) ou monetariamente.

2. O Estado Nacional, os Provinciais e os Municípios, juntamente com as forças da sociedade, nas comissões honorárias criadas para o efeito, determinarão os locais onde serão construídos os conjuntos habitacionais e as suas características fundamentais.

3. Uma comissão nacional, composta por profissionais e alunos de destaque dos últimos anos, dependentes das faculdades de Arquitetura, Engenharia, Direito e Ciências Econômicas, elaborará os projetos habitacionais e as técnicas construtivas a serem desenvolvidas pelas construtoras, também como o padrão de materiais a serem usados. A referida comissão terá em consideração as características regionais, hábitos e costumes de cada zona e, muito especialmente, a disponibilidade de terrenos, tendendo a desenvolver habitações únicas construídas em terrenos não inferiores a 10 metros de largura e 40 metros de profundidade. A comissão será responsável pela preparação das licitações e suas outorgas e pelo controle do andamento das obras. A prioridade deve ser dada às empresas do canteiro de obras e, caso não haja, sempre à mão de obra local.

4. Para acessar o plano, você deve atender apenas a estes requisitos: A) TER UM TRABALHO ESTÁVEL OU SER APOSENTADO; b) NÃO POSSUIR MORADIA.

5. A subscrição será feita através do número CUIL ou CUIT (Código Único de Trabalho ou Identificação Fiscal) e a taxa (cuja média é de 200 pesos por mês) será retida pelo Empregador ou pelo Fundo de Aposentadoria correspondente e o empregador depositará o valor retido juntamente com a declaração mensal, formulário 931, do Cadastro Nacional da Previdência Social, conforme item III abaixo de Obras Sociais, definido como? Contribuições para o Plano Habitacional Unificado ?. O atual item III passará a ser item IV e assim sucessivamente, incluindo o novo em sua descrição.

6. Para os valores assim arrecadados, haverá duas contas no Banco de la Nación Argentina: Uma ,? Pagamentos de Serviços e Capital de Dívida? terá como proprietários (ou destinatários) os credores da dívida pública; 85% do valor arrecadado será alocado ali, e os 15% restantes, em outra conta destinada ao? Fundo de Apoio a Projetos?, Que será administrado pela Comissão Universitária e de onde, entre outras questões, serão considerados os gastos com promoção ., execução e controle do plano, aqueles referentes a seguro parcelado para que o adquirente não perca sua assinatura e pagamentos em caso de perda do emprego, seguro habitação, subsídio para pessoas de baixíssima renda para acesso à moradia e Cota não pode ser superior a 50% do salário, nem 25% do grupo familiar e, se for, é subsidiado; e as obras de infraestrutura necessárias para consolidar o projeto, o resto.

7. Os 15% acima mencionados conterão três grandes itens que limitam a sua utilização: a) 5% destinados às despesas de projeto e à escritura de unidades; b) 6% destinados a subsídios para complementação de cotas ec) 4% correspondentes ao desenvolvimento dos projetos de infraestrutura necessários para cada conjunto habitacional, infraestrutura que será construída com recursos correntes destinados ao Fonavi ou similar.

8. A legislação deve prever penalidades severas para os empregadores que fizerem as retenções e não as depositarem. Sanções muito executivas para recuperar os valores fraudados. Terão pena de prisão efetiva e inabilitação para o exercício da atividade empresarial. Também serão penalizadas as construtoras que não cumprirem as especificações e utilizarem materiais de qualidade inferior às especificadas ou em dosagens inferiores, bem como os licitantes que tiverem forjado sua declaração inicial e possuírem bens ou rendimentos superiores aos declarados. Transparência e honestidade nos procedimentos deve ser uma condição sem discussão.

9. É anexado um modelo teórico de ação, desenvolvido em sete quadros que acompanham este trabalho. Neste modelo teórico de ação, os seguintes dados iniciais são usados, que incluem:

a) Dívida Pública: Neste trabalho presume-se que seja 150 bilhões de dólares. Se for menor, melhore o Plano e diminua os prazos. Relatório do Ministério da Economia argentino menciona que se trata, em setembro de 2000, de 138.794 milhões, o que pode situar, no final do ano, perto de 150 bilhões.

b) Serviços da Dívida Pública: A taxa apurada nesta obra é de 6% ao ano. Na realidade, as taxas pagas são mais altas do que isso. Portanto, devem cumprir o contrato, embora deva ser renegociado com os credores, para este plano, a alíquota de 6% ao ano acima mencionada. Uma tarifa maior não invalida o Plano, apenas retarda seus efeitos de cancelamento.

c) De acordo com a Lei de Solvência Fiscal sancionada, o déficit nas contas públicas não deve ultrapassar 4.500 milhões no ano 2.000. Este trabalho parte dessa cifra, mas também exige que esse déficit diminua a uma taxa de 300 milhões por ano, cifra não muito grande e que pode se materializar facilmente, pois a própria execução do Plano produzirá uma forte e imediata reativação da economia outorgando os recursos necessários para tal redução sem recorrer a cortes em outros itens. Isso não deve negligenciar os esforços que devem ser feitos para racionalizar despesas e melhorar a arrecadação de impostos, reduzindo a evasão e melhorando a arrecadação, especialmente o imposto de renda. (Estes são dados do orçamento de 2000, eles devem ser ajustados ao orçamento de 2001)

d) Parte-se do pressuposto de um PIB global de 300 bilhões de dólares e estima-se que esse PIB cresça a uma taxa média anual de 4%. A implantação do Plano garante grande parte desse crescimento.

e) Estima-se que a população atual seja de 36,5 milhões de pessoas e que haja um crescimento médio de 500 mil habitantes equivalente a uma taxa de 1,3% a 1,2% ao ano.

f) Presume-se que qualquer uma das demais rubricas do orçamento nacional para o ano 2000 se repita com comportamento semelhante durante os 25 anos de execução do Plano. Por isso, deve-se considerar que: qualquer variação positiva (saldos favoráveis ​​no balanço de pagamentos, redução de despesas, melhor arrecadação de impostos, etc.) não se reflete e isso melhoraria o Plano ao encurtar o tempo de cancelamento da dívida. Tampouco são possíveis variações negativas que possam ocorrer e seu efeito inverso no Plano considerado.

10. Os resultados do Plano podem ser vistos nas tabelas que acompanham este trabalho, mas sinteticamente ele gera:

a) Rendimento mínimo anual adicional ao orçamento nacional de 900 milhões de dólares.

b) Criação imediata de mais de 500 mil empregos estáveis.

c) Actividade para mais de 50 associações empresariais onde predomina quase exclusivamente o produto de origem nacional.

d) Cancelamento total da dívida pública e seus juros no prazo máximo de 35 anos

e) Eliminação definitiva do déficit habitacional.

f) Conclusão do Plano aos 25 anos com 6.430.000 novas moradias construídas.

Pelo Dr. Oscar Natalichio
Prof. Univ. Mães da Plaza de Mayo
Escritor - Economista


Vídeo: #Reforma na #Lei de #RecuperaçãoJudicial e #Falência - Ajuda a #NovaOi? #OIBR3 #OIBR4 #Highline (Junho 2022).


Comentários:

  1. Pasquale

    Bravo, esse pensamento muito bom deve ser com precisão de propósito

  2. Hring

    Eu acho que eles ajudarão você a encontrar a solução certa. Não fique chateado.

  3. Mikalkree

    Sinto muito, mas, em minha opinião, você está enganado. Escreva para mim em PM, vamos conversar.

  4. Gili

    Perfeitamente, e eu pensei.

  5. Meztijind

    Posso recomendar que você visite o site, no qual existem muitos artigos sobre esse assunto.



Escreve uma mensagem