TÓPICOS

Um dia para se apaixonar pelo planeta Terra

Um dia para se apaixonar pelo planeta Terra


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Por Carlos Fermín

Dizem que o amor é o único sentimento que justifica a vida no planeta Terra. Cada pessoa o expressa ou silencia voluntariamente. Alguns ficam entusiasmados ao olhar para os recifes de coral, cavernas pré-históricas, montanhas Apalaches, lagos siberianos, dunas do Quaternário, pântanos pantanosos e rochas metamórficas.

Enquanto outros não conseguem apreciar a beleza celestial que inunda todos os benditos recantos da Pachamama, seja por muita ignorância, teimosia ou conformismo por não querer aprender um pouco mais sobre os segredos de Gaia.

Por exemplo, os oceanos cobrem 70% da superfície da Terra.

O coração do beija-flor bate mais de 1.000 vezes por minuto. A Terra é o único planeta do sistema solar com placas tectônicas ativas, que ajudam a evitar o superaquecimento, e também é o único planeta que apresenta água nos três estados da matéria (sólido, líquido e gasoso).

O campo magnético do nosso planeta atua como um escudo protetor contra a radiação solar excessiva. Sem perceber, estamos viajando ao redor do Sol a uma velocidade média de 29,5 quilômetros por segundo. O Monte Everest é a montanha mais alta do mundo, com uma altura de 8.848 metros acima do nível do mar.

Todos os dias, cerca de 100 toneladas de poeira espacial caem na superfície do planeta Terra, cuja idade é estimada em 4,5 bilhões de anos.

90% da atividade vulcânica ocorre no fundo do mar enigmático.

Um dia sideral não chega a 24 horas, já que o tempo preciso é de 23 horas, 56 minutos e 4 segundos, devido ao movimento de rotação e translação criado pela excentricidade da órbita terrestre.

Você não precisa viajar para a Table Mountain, as Cataratas do Iguaçu, a Floresta Amazônica, os cenotes da Península de Yucatan, as Cataratas do Anjo, a ravina de Humahuaca, a Ilha de Providencia ou os gêiseres de El Tatio ou a antiga Machu Picchu, para corroborar que as mãos da Mãe Terra encantaram cada paisagem natural com amor, demonstrando a perfeição de sua mágica criação divina.

Basta abrir os olhos e olhar de perto à sua volta, para ficar fascinado com as nuvens de um céu azul, com as folhas de uma árvore verde, com as asas de um valente pássaro redentor, com a onda de vento que anima a alma crepuscular, com uma chuva de estrelas que brilha no céu escuro, com um Sol que brilha no horizonte distante e com uma Lua que alivia as feridas do passado.

É óbvio que a Terra é nosso refúgio sagrado de vida, o que seria a inveja de qualquer outra civilização extraterrestre que se atrever a nos visitar.

Não importa se você voa ao amanhecer nos caminhos galácticos de Mercúrio, Vênus, Marte, Júpiter, Saturno, Urano ou Netuno.

Aonde quer que você vá, ficará surpreso ao constatar que a Terra é o único planeta com as condições ideais para a vida humana se desenvolver naturalmente, sem recorrer a trajes espaciais muito caros, máquinas robóticas com inteligência artificial, espaçonaves com sistema de propulsão iônica, até satélites com tecnologia infravermelha ou para elaborar sondas interplanetárias.

Aqui na Terra podemos passar férias nus na praia, vestir um smoking elegante no teatro ou usar um liquilique tradicional na feira patronal, sem pensar nos efeitos negativos da gravidade, nos abrasivos graus Celsius de temperatura, na ausência de oxigênio purificado ou na caótica atmosfera marciana.

Um grande privilégio para os afortunados homens e mulheres que vivem juntos em nosso planeta, apesar do fato de que a maioria desses indivíduos não tem consciência do milagre fortuito que seus olhos visualizam diariamente.

Surgem perguntas: Por que não vivemos em paz santa com todos os irmãos terrestres?

Por que o planeta Terra é atormentado por guerras, injustiças e ecocídios? Quem são os culpados pelos enormes danos ambientais causados ​​no mundo?

Não é fácil encontrar uma resposta inquestionável ao conflito ecológico apresentado, pois devemos avaliar a intervenção das transnacionais que lucram com os recursos externos, a corrupção dos governos no poder que autorizam estas práticas ilegais, e a clássica indiferença do povo. quem não denuncia crimes cometidos na geografia de seus países.

O amor deve ser demonstrado com fatos tangíveis, não com palavras que acabam no abismo de lugar nenhum.

Nosso planeta Terra está sufocando em um holocausto que ataca o ambiente biofísico que abrigamos, pela poluição constante que viola a qualidade do ar, pelo veneno das lavouras transgênicas, pela pesca de arrasto devoradora, pelo desmatamento agressivo, pelos lucrativos fratura hidráulica, pela extração ilegal de mineração, pela expansão da fronteira agrícola, pelo vício do narcotráfico e pelo lucrativo comércio de fauna exótica.

Não podemos esquecer que 2014 foi o ano mais quente da história recente do planeta Terra, enfatizando a tragédia midiática do Aquecimento Global, Mudanças Climáticas e Efeito Estufa.

Os ursos polares não descansam mais em seus paraísos de inverno, porque temem que o gelo do Ártico continue a derreter aos trancos e barrancos, graças aos mais de 35.000 milhões de toneladas de CO2 liberadas por usinas de energia no mundo, para que o frio do passado se transforma no inferno do petróleo, gás e carvão.

Você sabia que são necessários mais de 7.000 litros de água para produzir um saboroso bife?

O óleo de cozinha que jogamos no ralo após o preparo dos alimentos contamina os corpos de água doce e salgada de nossas cidades. Mais de 800 produtos químicos neurotóxicos são usados ​​na fabricação de cosméticos e perfumes.

Dois terços da população mundial sofrerá de escassez de água em 2025. 10 gotas de água por minuto representam 2.000 litros de água desperdiçada por ano. Uma lâmpada incandescente que fica acesa 5 horas por dia durante um mês equivale a 15.000 watts de saturação elétrica.

É importante saber que nós, latino-americanos, estamos produzindo quase 1 quilo de lixo todos os dias, devido à cultura de consumo que se apodera do vizinho escravizado. 90% do lixo que permanece nos oceanos é derivado do plástico.

75% das espécies animais podem ser extintas nos próximos 300 anos. 17 árvores são usadas para fazer uma tonelada de papel. A cada ano, mais de 14 milhões de hectares de florestas nativas são desmatados.

Cerca de 70% dos metais pesados ​​que vão para os lixões vêm do acúmulo de dispositivos eletrônicos que liberam produtos químicos perigosos à saúde, como mercúrio, chumbo, cromo, cádmio e cobalto.

Estima-se que até 2030 o refugo eletrônico terá crescido 50% em escala global, e o pior é que a tendência negativa continuará aumentando devido ao uso excessivo de dispositivos móveis, como celulares, tablets e laptops .

A ONU descreveu a questão do lixo eletrônico como "uma bomba ecológica" para o planeta Terra, considerando os 50 milhões de toneladas de lixo eletrônico que são gerados anualmente no mundo.

A falta de políticas públicas que gerenciem efetivamente a armadilha dos resíduos perigosos, a desvalorização da mineração urbana para conter a devassidão ambiental e a alta demanda por bens e serviços que força a queima de mais combustíveis fósseis são responsáveis ​​pelo estouro da estabilidade do globo.

Vemos que as flechas do Cupido são cravadas no coração partido de Pachamama, que chora com lágrimas de sangue pela falta de amor no planeta Terra. Eles dizem que ninguém sabe o que eles têm até perdê-lo.

Ontem demos a ela as melhores rosas do jardim primaveril e hoje a maltratamos com os piores espinhos do pântano radioativo.

Ela não perde a esperança de que a Humanidade recupere a luz da sabedoria, mas somos teimosos demais para admitir nossos erros e pedir seu perdão de joelhos.

Porém, a deterioração ambiental pode ser aplacada por cada um de nós, desde que nos lembremos da ousadia do primeiro beijo, para resgatar o carinho, a preocupação e o interesse em diminuir os abusos ecológicos que se vislumbram no planeta Terra.

O Conservacionismo é a chave para mudar a atitude passiva para ações concretas a favor do Meio Ambiente, que nos transforma em verdadeiros agentes de mudança dentro das localidades que habitamos.

Vamos reduzir o consumo de água potável, consertando vazamentos nos canos da casa, e não desperdiçando o líquido vital na escovagem dos dentes, no banho ou na limpeza da casa. Por sua vez, é imprescindível exercer a Eficiência Energética, desligando qualquer equipamento elétrico ou eletrônico que esteja ligado desnecessariamente, como televisão, fogão, ar condicionado, computador, carregador de smartphone, DVD player, console de videogame, máquina de lavar, aspirador de pó, secador de cabelo, microondas, etc.

Da mesma forma, não é correto desperdiçar folhas de papel ao utilizar a impressora ou copiadora, pois nem todo o conteúdo informativo de que dispomos deve ser reproduzido com a tinta do formato físico.

Quanto ao lixo doméstico que se acumula em residências e escritórios, é muito valioso cumprir a regra dos 3rs (reduzir, reaproveitar e reciclar).

É hora de separar os resíduos sólidos da origem e classificar os materiais orgânicos e inorgânicos que usamos no dia a dia (plástico, vidro, metal, papelão, papel).

Se você não faz parte da solução, você é parte do problema, então a missão ecológica exige que separemos garrafas PET, tampas, caixas de pizza, embalagens multiuso, folhas de poliestireno expandido, sacolas de supermercado, latas de refrigerante, embalagens de balas, compactos riscados discos, pauzinhos, pilhas alcalinas, jornais velhos, cascas de frutas e outros detritos que nunca devem acabar amontoados no recipiente de lixo genérico.

Porém, o caminhão compactador de limpeza urbana se encarregará de misturar todo o lixo e levá-lo aos aterros nocivos.

Podemos evitar esse círculo vicioso com o meio ambiente, por meio de um modelo de desenvolvimento endógeno originado em nossas comunidades.

Se os moradores se organizarem com seus vizinhos, amigos, familiares e colegas de trabalho, eles podem coletar o lixo previamente classificado e marcar um dia específico da semana para transportá-lo para uma central de reciclagem que funciona naquela localidade. Lá, esses resíduos serão recebidos, e vamos promover o hábito de reciclar tudo o que consumimos.

Paralelamente, um grande número de artigos de uso diário pode ser reaproveitado por meio de artesanatos criativos, que os transformam em belos enfeites para presentear um ente querido em uma data especial, para divertir as crianças de forma saudável ou como fonte alternativa de renda.

Entre vasos de flores, abajures, bolsas, chaveiros, porta-copos, colares, guirlandas, cestos, cabides, brinquedos, convites, cofrinhos, lustres e pulseiras, é claro que com um pouco de imaginação poderemos construir até mesmo um edifício feito com materiais reciclados.

Use mais as solas dos pés e menos a buzina.

O trânsito barulhento nas cidades é resultado de um estilo de vida 100% dependente do acelerador, semáforos e birras.

No planeta Terra existem mais de 1.100 milhões de carros que não só causam mais poluição ambiental, mas também causam colapsos nervosos, sensação de claustrofobia e desmaios nas pessoas. Vamos aprender a andar descalços, a desfrutar do silêncio e a praticar caminhadas, vistas como uma atividade lúdica que nos reconecta com o Meio Ambiente, com a Cultura e com o Esporte.

Se o Universo nos deu um cantinho de felicidade chamado planeta Terra, não devemos nos machucar fumando cigarros, bebendo álcool ou usando drogas, que mais cedo ou mais tarde abrem as portas para doenças, depressão e suicídio.

Todos nós passamos por situações difíceis na vida, mas escapar da realidade afogando-nos nesses vícios nunca será a solução para o problema.

Pelo contrário, vamos usar o tempo de forma positiva em prol de uma melhor saúde mental, seja lendo um bom livro, ouvindo música relaxante, adotando um animal de estimação ou conversando com os avós.

Não queremos que o amor pela Natureza continue a ser uma questão biodegradável para a sociedade civil. Assumir a tarefa ecológica exige um esforço conjunto sem cores, ideologias ou credos. Vamos rejeitar as contas de egoísmo e valorizar um ensino de vida.

O Romantismo não deve nascer, crescer e morrer nos dias 22 de abril, 14 de fevereiro ou 5 de junho, porque o planeta Terra merece que todos os dias você se comprometa a respeitar, cuidar e amá-lo.


Vídeo: Conhecendo o Planeta Terra (Pode 2022).