TÓPICOS

Propõem grande reflorestamento com nativos, para recuperar áreas afetadas pela soja

Propõem grande reflorestamento com nativos, para recuperar áreas afetadas pela soja


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Do Museu Provincial Guillermo E. Hudson, especialistas propõem um projeto de reflorestamento na província de Buenos Aires com espécies arbóreas e herbáceas nativas para recuperar as áreas afetadas por enchentes ou secas causadas pelo cultivo da soja.

O projeto se propõe a produzir mudas de espécies nativas e começar na parte norte da província mais afetada. “Com essas plantas-mãe buscamos iniciar as matas nativas nos locais de produção”, disse o diretor do Museu, Rubén Ravera.

Embora sejam previstas obras de água na bacia do Salado para resolver os problemas das cheias e da seca actual, estas vão demorar muito e é necessário agir e tomar outras medidas. “Uma obra hidráulica para a bacia do Salado não é fácil, porque acaba jogando água para o vizinho e essa não é a solução. A água doce é um recurso, em grande medida superior ao próprio petróleo, é uma pena desviá-la para o mar, como se fosse algo desprezível ”, explicou Ravera, a sua ideia é aproveitar a água que foi inundada e fazer “corredores biológicos” em locais como as margens das vias e aterros ferroviários.

A função dos corredores biológicos é criar vias de comunicação para muitas aves que estão em perigo de extinção. Eles também facilitariam a transferência de sementes que são espalhadas pelo vento para favorecer o reflorestamento natural.

“As especiarias exóticas são invasivas”, o seu impacto é negativo no ecossistema porque modificam os nutrientes do solo ou consomem muita água. “Os nativos, como o salgueiro e o ceibo, estão adaptados à ecorregião a que pertencem, por isso levam vantagem sobre os outros que às vezes são trazidos como ornamentais”, diz Juan Whitworth Hulse, biólogo do Instituto Multidisciplinar de Biologia Vegetal do CONICET .

A bióloga sugere que os governos provinciais e municipais priorizem a ativação de viveiros nos quais são produzidas espécies nativas, para reinseri-las nos ambientes afetados e também para sua comercialização nas 18 ecorregiões da Argentina. A preservação e recuperação do terreno vai depender disso.

Com informações de:


Vídeo: AREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE PARA REFLORESTAMENTO (Pode 2022).