TÓPICOS

O esvaziamento dos Pampas. Livro de Walter A Pengue em PDF

O esvaziamento dos Pampas. Livro de Walter A Pengue em PDF


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Exportação de nutrientes e o fim do celeiro do mundo

Da Argentina, a agricultura industrial é mostrada para o mundo, como o surgimento de um conjunto bem-sucedido de interações tecnológicas e financeiras, capacidades construídas e otimização no uso dos recursos naturais. Diz-se que a chamada “segunda revolução do Pampa” significou uma conjunção positiva de fatores tecno-produtivos na história da agricultura argentina moderna.

Mas essa combinação de práticas de manejo agronômico como a semeadura direta, o uso de organismos geneticamente modificados e o uso de uma carga crescente de agroquímicos, especialmente herbicidas (principalmente o glifosato), não incorpora em suas contas as externalidades que o mesmo modelo gera. Além disso, esta agricultura, insustentável no sentido lato do termo, leva a profundas mudanças sociais, econômicas, ambientais e logísticas que restringem seriamente a estabilidade dos sistemas rurais, urbanos e ambientais.

A transformação das atividades, a chegada de novas tecnologias e entidades com grande capacidade financeira e tecnológica; O deslocamento de centenas de milhares de pequenos e médios agricultores e sua realocação para novas funções produtivas não estão afetando apenas a sustentabilidade social do setor rural, mas também as periferias urbanas e periurbanas das cidades localizadas no Chaco- Planície Pampeana.

[mks_pullquote align = ”left” width = ”300 ″ size =” 24 ″ bg_color = ”# bbd6a9 ″ txt_color =” # 000000 ″] O livro completo (2017) pode ser baixado gratuitamente aqui. [/ mks_pullquote]

Apesar dessas fortes transformações, um componente essencial que ameaça a estabilidade do próprio sistema rural argentino (e de fato da América Latina) está relacionado às intensas mudanças no uso da terra e, por outro lado, está ligado à crescente produção de nutrientes. e degradação dos solos da planície chacopampeana, pouco considerada em termos da estabilidade agroecossistêmica do modelo. Isso pode ser extrapolado para toda a Bacia do Prata.

A extração desses “intangíveis ambientais” (que acompanham os grãos) e, por outro lado, a perda de nutrientes (que acompanham a erosão hídrica e eólica), afetará diretamente a estabilidade do próprio sistema e a geopolítica do território transformado. Isso resulta em uma situação pouco e mal avaliada pelos responsáveis ​​pelas políticas públicas rurais, ambientais e sociais, que focam apenas no lucro imediato, sem analisar em profundidade os impactos gerados.

A proposta globalizante da agricultura industrial gera um importante desequilíbrio, principalmente no que diz respeito aos fluxos de nutrientes que se movem nos diferentes subsistemas.

Dessa forma, enquanto em uma parte da cadeia ocorre a extração mineira dos principais elementos do solo, do outro lado - nos locais de consumo de alimentos e fibras - acumulam-se resíduos derivados, causando problemas de contaminação.

No final da década de 1990, o fluxo líquido global de NPK (nitrogênio, fósforo e potássio) no comércio internacional de commodities agrícolas girava em torno de 5 Tg. Este é o momento em que a Argentina inicia sua transição de uma agricultura de baixa intensidade para uma altamente extrativista, sem reposição natural ou artificial e com uma demanda crescente por insumos e energia. Estima-se que esse grande movimento NPK dobrará (10 Tg) em 2020, variando amplamente entre as regiões, mas assumindo que, para o caso argentino, será diretamente crescente e altamente extrativo, completado apenas com uma reposição de nutrientes sintéticos e basicamente insustentável.

As regiões “importadoras” de NPK e outros nutrientes são em particular a União Européia, Ásia Ocidental, Norte da África e China, enquanto os exportadores são de fato os principais exportadores de biomassa como Estados Unidos, Austrália, Brasil, Argentina e recentemente vezes a União Europeia.

A escala em que a situação está sendo considerada em nível global e regional, vai além da mera abordagem da contabilidade agronômica para se tornar um problema geopolítico e de segurança alimentar global.

Muitas foram as sociedades que, ao longo da história, encerraram seus períodos de civilização, ao degradar os recursos básicos (terra, solo, água, biodiversidade), dos quais se alimentaram, cresceram e se desenvolveram.

Portanto, é imperativo considerar o funcionamento dessas economias no quadro de uma revisão global das trocas e fluxos de materiais sob o enfoque de um metabolismo social que inclui indicadores biofísicos e biogeoquímicos de sustentabilidade. Essa análise deve considerar outros componentes, como o cálculo adequado dos ciclos de vida, água virtual, terreno virtual e solo disponível. O acesso a esta visão abrangente ajudará o mundo a compreender a irracionalidade da pressão e da sobreexploração dos melhores solos do mundo, e a exposição de regiões inteiras, juntamente com o impacto no ambiente local, regional e global e na segurança alimentar a que somos exibindo como uma sociedade.

Por fim, é importante supor que esses solos, considerados os melhores do mundo por sua qualidade e estabilidade produtiva, são a "cesta básica" da humanidade.

Novos conceitos como “solo virtual”, “pegada de nutrientes” são incorporados como ferramentas de análise da forma como o recurso mais vital do planeta é utilizado junto com a água, como solo e terra. Temas relevantes para a definição de políticas ambientais e agrícolas de médio e longo prazo, sob o olhar geoestratégico da biopolítica, diante de um mundo que por um lado clama pela liberalização comercial no âmbito da OMC e, por outro, fecha ao fluxo internacional de pessoas, mas não de bens e, especialmente, de recursos básicos.

O livro completo (2017) pode ser baixado gratuitamente aqui.

Quem quiser o material em CD, juntamente com os outros dois trabalhos publicados pelo GEPAMA FADU UBA, intitulados Transgenic Crops, Where we were (2016) e Dynamics and Perspectives of Agriculture (2015), pode solicitá-los por e-mail para info @ gepama. com .ar. Na devolução, o material será enviado a eles, juntamente com a Revista FRONTERAS. A prioridade é dada, tanto quanto possível, no envio e distribuição para BIBLIOTECAS POPULARES, ESCOLAS, ESCOLAS, UNIVERSIDADES, ENTIDADES PÚBLICAS, ONGs.

Walter A. Pengue, PhD,
www.walterpengue.com


Vídeo: Francisco Vargas - O Valor que a Trova Tem 1984 LP COMPLETO (Julho 2022).


Comentários:

  1. Bryen

    bom trabalho

  2. Kagalar

    Eu tenho uma situação parecida. Convite do fórum.

  3. Tanris

    Parabenizo, pela excelente resposta.

  4. Loritz

    Wacker, uma frase magnífica e oportuna



Escreve uma mensagem