TÓPICOS

O que eles escondem de nós sobre nossa dieta

O que eles escondem de nós sobre nossa dieta


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Em 2009, o grupo ETC publicou um relatório que mostrou que 70 por cento da população mundial é alimentada pela produção de redes de camponeses e outros fornecedores de alimentos em pequena escala. Os dados surpreenderam e por vezes desmentiram, porque as empresas transnacionais que dominam a cadeia alimentar industrial se encarregaram de nos fazer acreditar que são essenciais e que sem elas não se poderia alimentar a população, o que é totalmente falso.

Na nova versão revisada e aumentada, publicada em 2017, reafirma-se que mais de 70 por cento da população mundial vai à rede camponesa para a totalidade ou grande parte de sua alimentação, embora esta rede tenha apenas menos de 25 por cento. . terra, água e combustíveis usados ​​na agricultura. A publicaçãoQuem vai nos alimentar? A rede camponesa ou a cadeia agroindustrial? Ele pode ser baixado em http://www.etcgroup.org/.

Por outro lado, a cadeia alimentar agroindustrial ocupa mais de 75% desses recursos, mas alimenta apenas o equivalente a 30% da população mundial. Ao mesmo tempo, é fonte de problemas de saúde e ambientais, e é o principal gerador de gases de efeito estufa que causam as mudanças climáticas, segundo dados da Grain (https://tinyurl.com/yda3vp3z).

O que na ETC chamamos de rede camponesa inclui camponeses e indígenas, pastores, catadores, caçadores, pescadores e pescadoras artesanais, além de um bilhão de camponeses urbanos que mantêm quintais, criam pequenos animais e hortas em áreas urbanas, que no total soma mais de 4,5 bilhões de pessoas. A maior parte deles exerce ocasionalmente uma ou outra dessas atividades e, por razões econômicas, se alternam com empregos urbanos.

Definimos a cadeia alimentar industrial como uma sequência linear de elos que vão desde os insumos agrícolas (genética vegetal e animal, pesticidas, fertilizantes, medicina veterinária, máquinas agrícolas) até o que é consumido nas residências, passando pelas cadeias de processamento, embalagem, refrigeração, transporte, armazenamento, venda a granel, varejo ou restaurantes. De sementes a supermercados, a rede é dominada por várias transnacionais, às quais se somam grandes bancos, investidores, especuladores e políticos.

Os impactos negativos dessa poderosa cadeia são amplos, tanto nas economias locais e nacionais quanto na saúde e no meio ambiente, muito além do que sabemos.

Por exemplo, para cada peso que os consumidores pagam pelos produtos da cadeia industrial, a sociedade paga mais dois pesos para reparar os danos à saúde e ao meio ambiente que eles causam. Segundo dados de 2015, são gastos 7,55 bilhões de dólares por ano com alimentos industrializados, mas, desse montante, 1,26 bilhões são alimentos consumidos em excesso, o que causa obesidade, diabetes e outras doenças e 2,49 bilhões são alimentos desperdiçados. Além do valor pago diretamente na compra dos produtos, a empresa paga outros 4,8 bilhões de dólares por danos à saúde e ao meio ambiente. Portanto, do total de despesas relacionadas à alimentação industrial (12,32 bilhões de dólares anualmente), 70% é contraproducente!

O valor pago pelos danos à saúde e ao meio ambiente é baseado em dados oficiais, que refletem apenas uma parte dos gastos com saúde. No entanto, esse número é cinco vezes o gasto anual mundial em armas.

A cadeia alimentar do agronegócio produz muito mais alimentos do que o que acaba sendo fornecido à população. Para onde vai toda essa produção então? Para começar, o nível de desperdício da agricultura industrial para as famílias é enorme: de acordo com a FAO, é de 33 a 40 por cento. Se a produção agrícola for medida em calorias - uma medida pobre, pois não mostra a qualidade da energia, mas é o que está disponível - 44 por cento é dedicado à alimentação do gado (mas deste apenas 12 por cento vai para a alimentação humana), 15 por cento é perdido no transporte e armazenamento, 9 por cento é usado para biocombustíveis e outros produtos não comestíveis e 8 por cento vai para o lixo doméstico. Apenas 24% das calorias produzidas pela cadeia industrial vão diretamente para a alimentação das pessoas.

Há muito mais dados nas 24 questões colocadas pelo documento, que é um trabalho coletivo pensado para ser acessível à maioria, baseado em centenas de fontes das Nações Unidas e organizações acadêmicas e independentes de pesquisa. Entre outras conclusões, fica claro que o discurso sobre o sistema alimentar, vital para a sobrevivência de todos, está repleto de mitos a favor da cadeia industrial, das empresas transnacionais e dos interesses financeiros que dela lucram. Mas são as redes camponesas que, apesar da enorme injustiça no acesso aos recursos, alimentam a maioria da população mundial, cuidando também da biodiversidade animal, vegetal e microbiana, do meio ambiente e da saúde. No dia 16 de novembro, será feita uma apresentação do relatório na Universidade Autônoma do Estado do México (Mais informações: https://tinyurl.com/ybgxalkp).

Por Silvia Ribeiro, Pesquisadora do Grupo ETC


Vídeo: Você Bonita - Saiba Como se Manter na Dieta 200215 (Julho 2022).


Comentários:

  1. Dughall

    it is simply incomparable :)

  2. Goltitilar

    É a resposta engraçada

  3. Erchanhardt

    Peço desculpas, mas, na minha opinião, você comete um erro. Eu posso defender a posição. Escreva para mim em PM.

  4. Alrik

    Eles estão errados. Precisamos discutir.

  5. Zulkizuru

    Sério.

  6. Arashill

    Sinto muito, claro, mas preciso de um pouco mais de informação.



Escreve uma mensagem