TÓPICOS

Acredite ou não, as leguminosas ajudam a reduzir as emissões de gases

Acredite ou não, as leguminosas ajudam a reduzir as emissões de gases


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Por Lyndal Rowlands

Mas embora seja difícil de acreditar, eles também ajudam a reduzir as emissões de gases de efeito estufa.

Estima-se que cerca de 190 milhões de hectares de leguminosas despejam entre cinco e sete milhões de toneladas de nitrogênio no solo. Como são capazes de fixar seu próprio nitrogênio no solo, não precisam de tantos fertilizantes, sejam orgânicos ou sintéticos, e podem desempenhar um papel importante na redução das emissões poluentes.

Além disso, as leguminosas são muito populares; a produção mundial aumentou de 64 milhões de hectares em 1961 para quase 86 milhões em 2014.

Dados coletados pela Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) também indicam que quando o gado é alimentado com leguminosas, “seu alto teor de proteína os faz contribuir para aumentar a taxa de conversão alimentar, ao mesmo tempo que reduz as emissões de metano dos ruminantes, portanto, do efeito estufa Emissão de gases ".

Isso revela a grande preocupação que essa agência tem com o impacto das mudanças climáticas na segurança alimentar.

O aquecimento global tem um grande impacto na produção e segurança alimentar. “As mudanças climáticas podem causar um aumento nos desastres naturais, como secas, inundações ou furacões, que podem afetar todos os níveis de produção de alimentos”, diz o documento da FAO.

A menos que medidas sustentáveis ​​sejam tomadas com urgência, as mudanças climáticas continuarão a exercer forte pressão sobre os ecossistemas agrícolas, especialmente nas regiões e sobre as populações particularmente vulneráveis, alerta a agência, que informa sobre as chamadas variedades de leguminosas inteligentes para o clima.

Além disso, a FAO observa que as leguminosas têm vasta diversidade genética, a partir da qual variedades melhoradas podem ser selecionadas para cultivo. Esta característica é particularmente importante porque cepas mais resistentes à variabilidade climática podem ser desenvolvidas para uso em áreas sujeitas a inundações, secas e outros eventos climáticos extremos.


Leguminosas e sistemas agroflorestais

Além do exposto, “os sistemas agroflorestais que incluem leguminosas, como feijão bóer, com outras culturas, ajudam a manter a segurança alimentar dos agricultores, ajudando-os a diversificar suas fontes de renda”, diz a FAO.

E assim, “os sistemas agroflorestais resistem melhor às condições climáticas extremas porque as leguminosas são mais resistentes do que a maioria das culturas e ajudam a nutrir o solo. Quando esses sistemas são usados, os agricultores veem um aumento na produtividade da safra que se espalha para as safras subsequentes. "

Na verdade, é significativo que as Nações Unidas tenham declarado 2016 o Ano Internacional das Leguminosas e organizado em abril a Conferência Internacional sobre Leguminosas para Saúde, Nutrição e Agricultura Sustentável em Zonas Áridas na cidade marroquina de Marrakech, onde a Declaração sobre Leguminosas foi surgiu uma Solução para a Segurança Alimentar, Nutricional, Agricultura Sustentável e Adaptação às Mudanças Climáticas.

O encontro reuniu especialistas científicos de todo o mundo para encontrar uma forma de impulsionar a produção de leguminosas nos países em desenvolvimento com medidas no campo da ciência, pesquisa para investimento em desenvolvimento, políticas e mercados.

A Declaração Marroquina recomenda aumentar a produção de leguminosas em 20%, em comparação com o volume atual, até 2030, melhorando a produtividade, expandindo para novos nichos que incluem a intensificação dos campos de arroz em pousio com leguminosas e outras possibilidades sazonais em sistemas de cultivo intensivo já existentes.

Também reconhece que a produção de leguminosas ficou muito aquém da demanda crescente nos países em desenvolvimento, apesar dos muitos benefícios “para a população e o meio ambiente, deixando solos mais saudáveis, menor pegada de carbono e água, maior segurança. Nutrição nas famílias e renda adicional para agricultores ".

Mas o que são legumes?

A FAO elaborou uma lista de fatos concretos: “As leguminosas são um tipo de leguminosa colhida apenas para obter a semente seca. Feijão seco, lentilha e ervilha são os tipos de leguminosas mais conhecidos e consumidos ”.

“As leguminosas não incluem as culturas colhidas verdes (por exemplo, ervilha, feijão verde), pois são classificadas como vegetais. Também estão excluídas as culturas destinadas principalmente à extração de óleos (como soja e amendoim) e leguminosas destinadas exclusivamente à semeadura (sementes de trevo e alfafa) ”, detalha o documento.

“Você provavelmente já está comendo mais legumes do que imagina! Entre os mais populares estão todas as variedades de feijão seco, como feijão vermelho, feijão-lima, feijão-roxo e feijão-de-lima. O grão-de-bico, o feijão nhemba, o feijão-máscara e o feijão bóer também são leguminosas, assim como todas as variedades de lentilhas ”, acrescenta.

“A gastronomia de todo o mundo utiliza as leguminosas, desde o homus no Mediterrâneo (feito com grão de bico), ao tradicional pequeno-almoço inglês completo (com feijão branco) ou ao dal da Índia (com ervilha ou lentilha)”, acrescenta FAO.

Por que as leguminosas são tão importantes?

“As leguminosas são ricas em nutrientes e têm alto teor de proteínas, o que as torna uma fonte ideal de proteína, principalmente em regiões onde a carne e os laticínios não são física ou economicamente acessíveis”, enfatiza a FAO.

As leguminosas são pobres em gordura e ricas em fibras solúveis, capazes de baixar o colesterol e ajudar no controle do açúcar no sangue. Devido a essas qualidades, eles são recomendados por organizações de saúde para lidar com doenças não transmissíveis, como diabetes e doenças cardíacas. Eles também ajudam a combater a obesidade ”, diz ele.

“A leguminosa é uma cultura importante para o agricultor, porque pode vendê-la e também consumi-la no nível familiar. A opção de comer e comercializar as leguminosas que produzem ajuda os agricultores a manter a segurança alimentar em suas casas e gera estabilidade econômica ”, enfatiza o documento.

“Além disso, as propriedades de fixação de nitrogênio das leguminosas melhoram a fertilidade do solo, o que aumenta a produtividade das terras agrícolas. Ao usar leguminosas para cultivo consorciado e de cobertura, os agricultores também podem promover a biodiversidade agrícola e do solo, mantendo as pragas e doenças prejudiciais à distância ”, acrescenta.

Mesmo as leguminosas contribuem para mitigar as mudanças climáticas, reduzindo a dependência de fertilizantes sintéticos, usados ​​para fornecer nitrogênio ao solo.

Durante a fabricação e aplicação desses fertilizantes, são liberados gases poluentes e seu uso excessivo pode ser prejudicial ao meio ambiente.

No entanto, “as leguminosas fixam o nitrogênio atmosférico no solo naturalmente e em alguns casos liberam fósforo, reduzindo significativamente a necessidade de fertilizantes sintéticos”, explica a FAO.

Traduzido por Verónica Firme

IPS News


Vídeo: TUDO POSSO com Sula Miranda -- Bolo Salgado (Pode 2022).