TÓPICOS

FAO: Agricultura comercial gerou quase 70% do desmatamento na América Latina

FAO: Agricultura comercial gerou quase 70% do desmatamento na América Latina


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Na América Latina, a agricultura comercial é o principal motor do desmatamento, de acordo com o novo relatório da FAO, The State of World Forests 2016 (SOFO, por sua sigla em inglês).

SOFO observa que a agricultura comercial gerou quase 70% do desmatamento na América Latina entre 2000-2010, mas apenas um terço na África, onde a agricultura em pequena escala é um fator mais significativo no desmatamento.

Na Amazônia em particular, a produção do agronegócio para os mercados internacionais foi o principal fator de desmatamento após 1990, um produto de práticas como o pastoreio extensivo, cultivo de soja e plantações de dendezeiros.

“A agricultura comercial na região não pode continuar a crescer às custas das florestas e recursos naturais da região”, explicou Jorge Meza, Diretor Florestal da FAO.

Meza - que chefia a iniciativa regional da FAO para o uso sustentável dos recursos naturais - destacou que políticas como vinculação de incentivos agrícolas associados a critérios ambientais, adoção de práticas silvipastoris, pagamento por serviços ambientais e recuperação de pastagens degradadas podem impedir a expansão da fronteira agrícola em detrimento das florestas.

“A segurança alimentar pode ser alcançada com a intensificação da agricultura e medidas como a proteção social, ao invés da expansão das áreas agrícolas em detrimento das florestas”, explicou Meza.

Embora o desmatamento continue alto na região, a partir de 2015 sua taxa diminuiu quase 50% em relação a 1990. Essa redução também foi significativa na Amazônia, como resultado das políticas de desenvolvimento sustentável promovidas pelos países que compartilham a bacia amazônica .

De acordo com a SOFO, desde 1990 mais de 20 países globalmente melhoraram sua segurança alimentar e mantiveram ou aumentaram sua cobertura florestal, mostrando que não é necessário derrubar florestas para produzir mais alimentos.

Expansão de pastagens: principal causa do desmatamento

Um estudo citado pela SOFO sobre as causas do desmatamento em sete países sul-americanos (De Sy et al., 2015) evidenciou a relação entre o desmatamento e a expansão do pastoreio extensivo.

De acordo com o estudo, no período 1990-2005, 71% do desmatamento na Argentina, Colômbia, Bolívia, Brasil, Paraguai, Peru e Venezuela foi devido ao aumento da demanda por pastagens; 14% para safras comerciais; e menos de 2% para infraestrutura e expansão urbana.

A expansão das pastagens causou a perda de pelo menos um terço das florestas em seis dos países analisados. A exceção foi o Peru, onde o aumento de áreas agrícolas em pequena escala foi o fator dominante no desmatamento, causando 41%.

Na Argentina, a expansão das pastagens foi responsável por 45% do desmatamento, enquanto a expansão das terras comerciais foi responsável por mais de 43%. No Brasil, mais de 80% do desmatamento foi associado à conversão de terras em pastagens.

Vinculando subsídios agrícolas a padrões ambientais

Em vários países ao redor do mundo, os subsídios agrícolas em grande escala estimularam o desmatamento, aumentando a lucratividade da produção agrícola e criando pressão para expandir a fronteira agrícola. Exemplos disso na região são o pastoreio extensivo e a produção de soja em escala industrial.

Uma opção de política para evitar isso é vincular os incentivos e mecanismos de apoio público que a agricultura comercial recebe ao cumprimento das regulamentações ambientais.

A SOFO destaca que apenas uma reforma no Brasil, que vinculou os subsídios ao crédito rural com critérios ambientais, evitou a perda de 270.000 hectares de florestas que teriam sido desmatadas para aumentar a produção de carne.

A iniciativa “Bolsa Verde” do Brasil é outro exemplo: um programa de transferência de renda condicional que fornece recursos a milhares de famílias pobres em troca da manutenção da cobertura vegetal e do manejo sustentável de seus recursos naturais.

Costa Rica: o valor dos serviços ambientais

Segundo a SOFO, após o pico do desmatamento na Costa Rica na década de 1980, hoje as florestas cobrem 54% de sua superfície, graças às mudanças estruturais na economia e à prioridade dada à conservação e conservação. Manejo sustentável das florestas.

Os incentivos florestais para o desenvolvimento de plantações foram substituídos em meados da década de 1990 pelo Programa de Pagamento por Serviços Ambientais, PSA. Esse programa tem sido utilizado para reforçar o sistema de áreas protegidas e criar corredores biológicos que cobrem 437 mil hectares.

O programa incentivou os agricultores a plantar 5,4 milhões de árvores, além de apoiar a conservação das florestas em terras indígenas.

No total, entre 1996 e 2015, os investimentos em projetos de PSA relacionados a florestas na Costa Rica alcançaram US $ 318 milhões; 64% desses fundos vieram de impostos sobre combustíveis fósseis e 22% de créditos do Banco Mundial.

“Esse tipo de iniciativa também tem sido desenvolvida por outros países da região, como o Programa Sócio-Florestal do Equador e as políticas de fomento florestal da Guatemala”, disse Meza.

O papel do setor privado e das plantações

Uma forma de diminuir a pressão sobre as florestas nativas é o desenvolvimento de plantações florestais.

No Uruguai, por exemplo, a área de plantações florestais aumentou cerca de 40 mil hectares por ano no período 2008-2011, um investimento anual estimado em 48 milhões de dólares.

No Chile, desde 1990, mais de 1 milhão de hectares de plantações foram estabelecidos. A partir de 2025, as plantações deverão produzir de forma sustentável cerca de 50 milhões de metros cúbicos de madeira por ano.

De acordo com a SOFO, as plantações no Chile reduziram a pressão sobre as florestas naturais, nas quais a silvicultura industrial caiu de 16,1% do total da silvicultura em 1990 para 0,8% em 2013.

Desde 1990, houve um aumento de 8% na área de florestas primárias e outras florestas regeneradas naturalmente no Chile. No entanto, a SOFO adverte que, em alguns casos, as plantações substituíram as florestas naturais.

Leia o relatório
O Estado das Florestas Mundiais 2016

Webcast
Comitê Florestal: sessão de abertura

Vídeo
O Estado das Florestas Mundiais 2016 - Florestas e Agricultura: Desafios e Oportunidades no Uso da Terra

Infográficos
O Estado das Florestas Mundiais 2016

Áudio
Entrevista com Eva Müller, Diretora da Divisão de Política e Recursos Florestais da FAO, sobre o SOFO.

Pressione Contatos
Benjamin Labatut
Santiago, Chile
tel .: (+56) 229 232 174
e-mail: [email protected]

FAO


Vídeo: Por que a agricultura está com problemas e como resolver? Minuto da Terra (Pode 2022).