TÓPICOS

A morte "iminente" do Mar Menor

A morte


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Ecologistas em Ação manifestou preocupação com a “degradação” do Mar Menor e “a falta de diligência, passada e presente, das administrações envolvidas em sua gestão”, pois este ano “não tem sido capaz de absorver os nutrientes do irrigação intensiva de sua bacia ”.

Em sua opinião, “a diferença é que desta vez o fim do Mar Menor está muito próximo e ninguém sabe se já ultrapassamos o ponto sem volta, o que significaria que nenhuma ação poderia nos devolver a lagoa como a conhecemos isto."

“Suas águas estão agora entre verdes e marrons, turvas, longe da transparência e qualidade para banho há alguns anos”, lamentam, e depois condenam que “infelizmente, a lagoa volta a ser utilizada como arma eleitoral e prova de caridade e obras públicas inúteis e com forte impacto social e ambiental ”.

Sem dúvida, deixa claro que “a grave situação atual afetará o turismo na lagoa nos próximos meses e anos, quer os empresários tomem banho ou não”.

Também adverte que a atual situação hídrica "não poderá ser resolvida em curto prazo com nenhuma medida tirada da cartola", por isso instam as autoridades sanitárias a realizar uma campanha "especial e intensiva" de controle do saneamento da água, tanto para banho como para espécies comerciais, nas águas do Mar Menor, que inclui um monitoramento contínuo exaustivo das espécies presentes no fitoplâncton.

A organização ambiental também pede a publicação dos resultados em um site de fácil acesso para qualquer pessoa. Esse exercício de transparência "servirá para tranquilizar os milhares de turistas que logo chegarão à lagoa e que ficarão constantemente se perguntando se é seguro se banhar em águas tão pouco apetitosas ou comer os produtos pesqueiros da lagoa".

Soluções

Por todas estas razões, Ecologistas en Acción enviou um documento de "soluções integrais, eficazes e viáveis, propostas por especialistas" a todos os interessados ​​envolvidos, e que "têm comprovado a sua eficácia há mais de 20 anos em muitas bacias agrícolas da Europa, para o atual problema de eutrofização do Mar Menor, sem esquecer que também existem medidas de outra natureza que devem ser adotadas a médio e longo prazo ”.

Na carta também exortam os partidos políticos e administrações a retirarem o Mar Menor da disputa eleitoral e a trabalharem, com urgência, em um Conselho do Mar Menor no qual estejam representados todos os governos e atores envolvidos, inclusive organizações sociais. E ambientais, com a assessoria de especialistas da área, otimizando recursos públicos e repassando parte dos gastos para quem contribuiu para a geração do problema, seguindo o princípio de “quem polui paga”.

A lagoa do Mar Menor, segundo a organização, “é um ecossistema único porque é a maior lagoa costeira de todo o Mediterrâneo Ocidental, tem características ecológicas muito peculiares, devido às suas águas hipersalinas e oligotróficas (com muito poucos nutrientes), muito transparente e com valores naturais tão importantes que já ganhou mais de sete figuras de proteção ambiental, incluindo as do LIC, ZEPA e da área de Ramsar ”.

“Mas nem sua singularidade nem o acúmulo de cifras de proteção impediram sua efetiva degradação nas últimas décadas”, afirma Ecologistas, que lembra que o Mar Menor “foi a joia da coroa do turismo na Região de Múrcia, transcendendo o estado e o internacional como ícone turístico ".

Desde então, diz ele, "as causas do seu declínio foram muitas: urbanismo exacerbado, nova irrigação (legal e ilegal), descargas de águas residuais, poluição agrícola, limpeza de zonas húmidas, transformação de canais, construção de docas e portos, ilegal a ancoragem, o excesso de navegação motorizada ou o aumento da ligação das suas águas com as do Mediterrâneo, entre outros motivos. ”

Paralelamente, os números de proteção ambiental “foram apenas nominais e não se materializaram no necessário Plano de Manejo Integral do Mar Menor, que deveria abranger toda a bacia de drenagem que acaba influenciando a lagoa”. Assim, diferentes administrações regionais e estaduais “ano após ano têm escapado à responsabilidade de preservar esta lagoa, apesar de a promover como o maior expoente do turismo regional”, lamenta.

“Tampouco levaram a sério a declaração do Campo de Cartagena como vulnerável à contaminação por nitratos, bem como a declaração do Mar Menor como zona sensível à entrada de nutrientes, oriundos dos descartes urbanos e, sobretudo, da agricultura difusa poluição ", diz ele.

Da mesma forma, ele critica, “eles têm ignorado sistematicamente os contínuos avisos e advertências da comunidade científica e organizações ambientais que fazem ecoar os alarmes e as soluções propostas”.

Ecoticias


Vídeo: Fuvest 2012 Questões 54 e 55 (Pode 2022).