TÓPICOS

Elimine o uso de sacolas plásticas, o primeiro passo para curar os oceanos

Elimine o uso de sacolas plásticas, o primeiro passo para curar os oceanos


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Por María José Brenes

Olhando para trás, falamos sobre a era do bronze, ferro, pedra e, em 100 anos, esta será a era do plástico. "Em 2050, haverá mais plástico do que peixe"

Eliminar o uso de sacolas plásticas em supermercados é o primeiro passo para ajudar a curar os oceanos, já que cada pessoa consome cerca de 360 ​​sacolas por ano e a maioria delas vai parar em rios, mares ou praias, disse o ativista americano Stuart Coleman.

Em entrevista à Efe, Coleman, coordenador da Surfrider Foundation, organização sem fins lucrativos dedicada à proteção e desfrute dos oceanos, ondas e praias do mundo, afirmou que a campanha para reduzir o uso de sacolas plásticas é eficaz porque começa no nível individual até que se estenda ao nível nacional.

“Reduzir as sacolinhas é um primeiro passo, é algo ótimo que pode ser iniciado com apenas uma pessoa, uma família, um grupo de amigos. Cada uma dessas pessoas representa 360 sacolas plásticas a menos por ano no meio ambiente ”, explica o americano.

O ativista descreveu o plástico como uma “invenção moderna” que está em todo lugar, é consumido em 15 minutos e depois descartado para permanecer no meio ambiente por décadas, daí a importância de mudar a mentalidade das pessoas para o uso de sacolinhas ou garrafas reutilizáveis.

Coleman esteve na Costa Rica como convidado especial do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) para promover ações sustentáveis ​​no âmbito do Dia Mundial do Meio Ambiente, que foi celebrado em 5 de junho.

Havaí, a primeira experiência do PNUMA

O americano liderou a iniciativa de tornar o Havaí o primeiro estado dos Estados Unidos a proibir totalmente as sacolas nos supermercados.

A experiência no Havaí tem sido um sucesso e algumas exceções foram feitas, como o uso de sacolas para vegetais, para roupa suja ou sacolas para lixo.

Para o ativista, essa iniciativa pode fazer a diferença, já que mudar a forma de reciclar em diferentes países pode ser mais complicado pela necessidade de políticas públicas e porque a redução do uso de sacolas plásticas começa na decisão de cada um.

Segundo Coleman, a quantidade de poluição causada pelas sacolas plásticas afeta os turistas, o meio ambiente, a vida marinha, a economia e também a saúde humana.


A cadeia: plástico-peixe-tóxico-comida-homem

“O plástico não se degrada naturalmente, mas se quebra em partes e isso faz com que os peixes consigam comer pedaços de plástico, isso significa que quando esse animal é capturado, tem uma grande quantidade de toxinas e produtos químicos que vamos acabar consumindo. Nós” , ele especificou.

As partículas de plástico às vezes são tão pequenas e ocupam áreas tão vastas que muitas espécies de peixes as confundem com plâncton.

“Quando olhamos para trás falamos da era do bronze, do ferro, da pedra e daqui a 100 anos esta será a era do plástico, que vai abranger tudo. Até 2050 haverá mais plástico do que peixe ”, disse o americano.

Costa Rica: biodiversidade e alguns desafios

Coleman acrescentou que a Costa Rica, país reconhecido mundialmente por sua biodiversidade, avançou muito na proteção do meio ambiente, mas tem muitos desafios a enfrentar, pois em suas águas é possível ver materiais como caixas de sorvete, garrafas, tampas e vidro.

“A Costa Rica é um país com a capacidade de eliminar as sacolinhas plásticas dos supermercados e fazer a diferença, como já fazia antes com as energias renováveis ​​e outras áreas em que foram líderes”, disse.

O ativista acrescentou que “o Havaí, assim como a Costa Rica, é um destino muito procurado pelos turistas e é importante que eles vejam uma cidade limpa, não cheia de sacolas plásticas nos rios e mares”.

Criar conciencia

El estadounidense indicó que para crear consciencia se debe recordar que las bolsas de plástico u otros objetos de ese material terminan en los océanos y tanto el Gobierno como las ONG, la sociedad civil y la empresa privada deben generar acciones que apoyen iniciativas que sean saludables para o ambiente.

Para Coleman, além dos 3Rs típicos (reduzir, reutilizar, reciclar), "rejeitar" qualquer tipo de plástico e "redesenhar" os produtos devem ser adicionados de forma a não continuar criando objetos desse material.

Em 1997, o oceanógrafo Charles Moore descobriu a chamada "grande mancha de lixo do Pacífico", a primeira do gênero, que é composta principalmente de material plástico e lama, atualmente mede cerca de 700.000 quilômetros quadrados e se estende entre a costa da Califórnia, circunda o Havaí e chega ao Japão.

EFEverde


Vídeo: Oceanos Ameaçados #CiênciaAberta (Pode 2022).