TÓPICOS

As ondas do mar começam a fornecer energia para Gibraltar

As ondas do mar começam a fornecer energia para Gibraltar


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

As ondas do mar serão a partir de hoje uma das fontes de electricidade de Gibraltar, colónia que optou por este novo método devido às limitações de espaço para albergar outros tipos de instalações, como a solar ou eólica.

É uma planta piloto, uma instalação na qual foram instaladas oito plataformas flutuantes de apenas um metro quadrado em um quebra-mar onde as ondas batem.

O sistema coleta a força das ondas e a transforma em energia que é distribuída pela rede elétrica.

Esta primeira instalação, localizada no lado leste de El Peñón, irá gerar 0,5 megawatts.

“A energia solar depende do sol, o vento do vento, mas há ondas o tempo todo”, explica David Leb, cofundador da empresa israelense Ecowave, que idealizou esse sistema que já está sendo usado. testes em Tel Aviv e na Ucrânia.

Leb explica que, dadas as limitações de espaço de Gibraltar e as ondas no estreito, este sistema é uma boa solução e ele espera que seja usado em mais pontos ao longo da costa.

“A instalação é muito simples, não tem impacto ambiental, é muito fácil de manter e é mais barata que outras”, detalha, ao apontar que para atingir o objetivo de reduzir a poluição no planeta “precisamos de todas as opções , todas as energias renováveis, porque a solução não vai vir de um único recurso ”.

Na inauguração desta planta-piloto, o Ministro do Meio Ambiente e Mudanças Climáticas de Gibraltar, John Cortés, mostrou seu "entusiasmo" para que a colônia esteja ligada às energias renováveis ​​que são "o futuro".

Gibraltar está agora identificando outros espaços para expandir a instalação com o objetivo de que esse sistema possa gerar "no médio prazo" até 10 megawatts, o que seria "um terço ou quarto" da energia exigida pelo Rochedo.

“Não se trata apenas do que se economiza economicamente, mas da poluição”, acrescentou o ministro.

O governo fez um "investimento muito pequeno, apenas para colocar o cabo à beira-mar" porque foi a empresa que cuidou do resto em troca de posteriormente comprar a energia produzida, explicou.

EFE


Vídeo: Som Relaxante das Ondas do Mar (Pode 2022).