TÓPICOS

"O tempo é uma loucura": em 7 anos a Argentina desmatou 2 milhões de hectares



We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

A inundação dos rios limítrofes causou uma das enchentes mais graves das últimas décadas e obrigou a evacuação de mais de 170.000 pessoas nos três países e hoje, a história se repete, todos culpam a natureza, mas poucos se lembram de como ela foi maltratada .

“As florestas e selvas, além de concentrarem uma biodiversidade considerável, têm papel fundamental na regulação do clima, na manutenção dos mananciais e fluxos e na conservação do solo. Eles são nossa esponja natural e nosso guarda-chuva protetor. Quando perdemos florestas, ficamos mais vulneráveis ​​às fortes chuvas e corremos sérios riscos de inundações ”, disse Hernán Giardini, coordenador da campanha Florestas do Greenpeace Argentina.

Segundo dados da Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável da Nação, desde a promulgação da Lei Florestal (novembro de 2007) até o final de 2014, mais de 2 milhões de hectares foram desmatados no país, dos quais 620 mil hectares foram florestas protegidas.

No mesmo período, a província de Entre Ríos perdeu mais de 85.000 hectares de florestas nativas. Esta província é a mais afetada pelas enchentes, com mais de 20.000 pessoas desalojadas de suas casas, a maioria em Concordia, cidade localizada às margens do rio Uruguai, que vive sua pior enchente em 50 anos, e nas últimas semanas, foi visto afetado o litoral paranaense.

A situação atual da Floresta Paranaense ou Floresta Missionária, cortada pelos rios Uruguai, Paraná e Iguaçu, é realmente crítica: restam apenas 7% da área de floresta original. Enquanto no Paraguai e no Brasil está praticamente destruído, a maior parte do restante está em nosso país, onde tem diminuído de uma área inicial de mais de 2 milhões de hectares para apenas cerca de 40.000 hectares de florestas virgens e cerca de 800.000 hectares de florestas secundárias hoje.

Um relatório recente da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO) coloca Brasil, Paraguai e Argentina entre os dez países que mais desmataram nos últimos 25 anos. Entre 1990 e 2015, nosso país perdeu mais de 7,6 milhões de hectares (área semelhante à da Escócia), a uma taxa de 300.000 hectares por ano.

Por outro lado, os efeitos do fenômeno meteorológico El Niño estão entre os mais virulentos desde 1950 e se intensificam até agora em 2016, segundo informações da Organização Meteorológica Mundial. Ao ser danificada, a natureza, como todas as coisas vivas, reage.

O federal


Vídeo: O que é mito e o que é verdade sobre o desmatamento no Brasil e na Europa (Pode 2022).