TÓPICOS

Um buraco negro como 17 bilhões de sóis

Um buraco negro como 17 bilhões de sóis


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Por Daniel Mediavilla

Se você pensar em um buraco negro, com aquela atração gravitacional que nem mesmo deixa a luz escapar, é provável que imagine um grande buraco negro no universo cercado por nada. No entanto, quando visto de longe, o efeito é muito diferente. Os quasares, os objetos mais brilhantes do universo, são precisamente buracos negros supermassivos que habitam o interior de grandes galáxias. O poder desses monstros gravitacionais atrai sistemas solares inteiros para dentro de suas mandíbulas, mas também acelera grande parte da matéria ao redor deles que se espalha a velocidades próximas à da luz. Esses jatos de partículas extremamente luminosos foram observados no início do universo, quando ele tinha algumas centenas de milhões de anos, e os astrônomos suspeitam que eles desempenharam um papel importante na formação da galáxia.

Galáxias como a Via Láctea abrigam buracos negros supermassivos que já perderam o ímpeto destrutivo e criativo de um estágio antigo em que se comportavam como um quasar. Na busca por herdeiros apaziguados para os leviatãs que povoaram o cosmos 13.000 milhões de anos atrás, os pesquisadores encontraram espécimes com uma massa de até 10 bilhões de vezes a do Sol em aglomerados de galáxias como a Grande Muralha, que inclui aglomerados como o um em Eat ou Leo's. Esta semana, uma equipe internacional de cientistas liderada por Jens Thomas, pesquisador do Instituto Max Planck de Física Extraterrestre em Garching (Alemanha), publicou na revista Nature o estudo de um buraco negro com 17 bilhões de vezes a massa do Sol em NGC 1600, uma galáxia elíptica relativamente isolada a 200 milhões de anos-luz da Terra. Os astrônomos não esperavam encontrar esses grandes buracos em lugares tão desleixados e é possível que a descoberta indique que eles são mais frequentes do que se pensava.

As dimensões da influência desta máquina cósmica são difíceis de imaginar. Os cientistas calcularam que seu horizonte de eventos, o ponto em torno do buraco negro de onde a fuga não é mais possível, é 335 vezes a distância da Terra ao Sol. Esse tamanho, explicam eles, torna o buraco negro NGC 1600 em um dos melhores candidatos a serem observados pelo projeto Event Horizon Telescope depois de Sagittarius A, o buraco que ocupa o centro de nossa própria galáxia. Esta iniciativa, que será lançada na próxima década, visa combinar as capacidades de observação de radiotelescópios de todo o mundo para se aproximar mais do que nunca da região observável de buracos negros.

Trabalho como o publicado hoje na Nature busca reconstruir a linhagem dos super buracos negros, os objetos que iluminaram quasares quando o universo ainda estava em sua infância e agora dormem no centro das galáxias. Na história da evolução desses objetos também está a origem da nossa.

O país


Vídeo: 40 bilhões de sóis: detectado o maior buraco negro do universo local (Pode 2022).


Comentários:

  1. Jeannot

    Qualquer coisa pode ser

  2. Nichol

    Obrigado por seu trabalho duro !!

  3. Phorcys

    Aconselho você a procurar um site, com artigos sobre um tema interessante você.

  4. Mutaur

    Na minha opinião você não está certo. Escreva para mim em PM.



Escreve uma mensagem