TÓPICOS

Do berço ao berço

Do berço ao berço


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Por María Perona

Por enquanto, e até que os sacos de lixo desapareçam em buracos negros espaciais, tudo dará certo, devemos adotar medidas que favoreçam a não geração de resíduos. Daí o crescente interesse pela economia circular. Diante da clássica economia linear do uso descartável, o modelo circular busca inspiração nos fluxos da natureza.

Numa economia circular, à qual a UE aspira, o ciclo de vida dos produtos é alargado devido a um melhor design ecológico que facilita as reparações e a reutilização. Desta forma, poderia ser alcançado um dos objetivos prioritários da UE para 2020: “tornar a UE uma economia hipocarbónica, eficiente na utilização dos recursos, ecológica e competitiva”.

É um passo além do "reduzir, reutilizar, reciclar" a que estávamos acostumados. E descarta a queda, já que o ciclo produtivo e de consumo seguem seu curso.

Além disso, o MAGRAMA aponta a economia circular como fonte de emprego e um dos pontos fortes do novo Plano Estadual de Resíduos (PEMAR) 2016-2022, aprovado em novembro passado.

É aqui que entra “Cradle to Cradle”. É uma forma de projetar e produzir “do berço ao berço”, em um sistema em que os resíduos são aproveitados como matéria-prima, formando um círculo perfeito. Ou um triângulo. Porque na hora de projetar eles levam em consideração três conceitos-chave: Ecologia, Equidade e Economia.

A materialização dessa ideia encontra-se no livro "Cradle to Cradle: Remaking The Way We Make Things", de M. Braungart e W. McDonough, e para continuar com o exemplo é publicado em resinas resistentes à água que podem ser utilizadas como fertilizante para plantas. Eles também criaram um sistema de certificação, a "Certificação C2C". Os requisitos que os produtos devem atender são: ser fabricados com materiais inofensivos e saudáveis ​​ao meio ambiente, projetar levando em consideração o reaproveitamento, fazer uso eficiente da água e instituir estratégias de responsabilidade social.

Defendem o consumismo, pois entendem que não há resíduo desde que sejam consideradas todas as fases do processo produtivo (principalmente o design), para garantir que ao final da vida útil do produto seja tomado como matéria-prima. Em outras palavras, alcance a eficiência ecológica.

Alcançar uma economia competitiva gerando 0 desperdício parece utópico, uma vez que a tendência de comportamento vai contra isso. Os produtos serão menos poluentes (mesmo não poluentes), mas continuaremos os mesmos.

Sinais de Sustentabilidade


Vídeo: Cancela Uber Ao Vivo (Pode 2022).