TÓPICOS

Argentina, Paraguai e Bolívia cortam 25 milhões de árvores em um mês

Argentina, Paraguai e Bolívia cortam 25 milhões de árvores em um mês


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Paraguai, Argentina e Bolívia cortaram cerca de 25 milhões de árvores durante o mês de outubro na região compartilhada do Chaco, um desmatamento equivalente a duas vezes e meia a área de Buenos Aires, segundo relatório distribuído pela ONG ambientalista Guyra Paraguay .

A área desmatada naquele mês nesta ecorregião, a segunda maior área florestal da América do Sul depois da Amazônia, foi de cerca de 50.574 hectares, ante 40.551 hectares registrados em setembro pela Guyra.

Isso equivale a uma taxa diária de desmatamento de 1.686 hectares, de acordo com os registros da Guyra. Do desmatamento causado em outubro, 55 por cento correspondem ao território paraguaio, 34 por cento à Argentina e 11 por cento à Bolívia, segundo dados da Guyra baseados em imagens de satélite que podem ser consultadas na Internet no "GeoPortal CartoChaco".

O desmatamento médio diário naquele mês na parte paraguaia da região foi de 925 hectares, na Argentina 576 hectares e na Bolívia 185 hectares. Segundo a ONG, a destruição das florestas também traz uma diminuição das áreas cobertas por água. Enquanto cerca de 2 milhões de hectares de água foram conservados em agosto, 1,6 milhão de hectares permaneceram em outubro.

Além disso, durante o mês de outubro, ambientalistas detectaram um total de 38.806 fontes de calor ou incêndios em todo o Chaco Grande Americano, correspondendo à Argentina, Bolívia, Paraguai e também ao Brasil, que compartilha uma pequena parte do Chaco, mais conhecido como O Pantanal.

A ONG destacou que 47% dos surtos detectados correspondem à Argentina e 40% ao Paraguai. A Guyra Paraguai assegurou que “não pode julgar a legalidade das mudanças de uso do solo registradas” e que disponibiliza a todos em seu site as informações e fotografias com as quais acompanham a situação na região.

O Chaco é o lar de dezenas de milhares de membros de uma dezena de povos indígenas que se estendem pelos quatro países: como os Guarani, Enxet, Qom, Sanapaná ou Ayoreo, entre outros.

Na região do Chaco, entre o Paraguai e a Bolívia, vive também o único grupo indígena que permanece em isolamento voluntário fora da Amazônia, os Ayoreo Totobiegosode. É também o habitat natural e mais bem preservado de animais como a onça-pintada (onça em guarani), a ariranha (arira'i), o tamanduá-bandeira (jurumi) e o tatu carreta, a maior espécie de tatu que existe no Paraguai . Toda esta região está ameaçada por esses países que se unem para destruir o pouco que resta da natureza, então há inundações e incêndios que ninguém entende porque se manifestam cada vez mais com maior virulência.

O federal


Vídeo: Countryballs Sudamérica: Episodio 1 - Estalla la guerra leed la descripción (Pode 2022).