TÓPICOS

Uma jaguatirica reaparece, o felino que se acreditava extinto há dez anos na Argentina

Uma jaguatirica reaparece, o felino que se acreditava extinto há dez anos na Argentina


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

A organização CLT colabora com o governo de Corrientes para recuperar a flora e a fauna dos Esteros del Iberá, extenso pantanal que cobre entre 15.000 e 25.000 quilômetros quadrados onde está localizada a ilha de San Alonso, local onde o animal foi encontrado.

A constatação foi feita graças a fotografias registradas por câmeras “armadilhas”, posteriormente analisadas por biólogos do Instituto de Biologia Subtropical do Conselho Nacional de Pesquisas Científicas e Técnicas (CONICET), que confirmaram tratar-se de um espécime de jaguatirica.

“A jaguatirica é um felino selvagem de médio porte que vive na América, cuja distribuição original ia do sul dos Estados Unidos ao centro da Argentina”, explica Sebastián di Martino, coordenador de programas de reintrodução de espécies da Conservation Land Trust.

O especialista descreveu o animal como "um gato com manchas alongadas, oceladas, de borda preta e com coloração marrom-avermelhada por dentro".

“Como quase todos os felinos, são difíceis de ver a olho nu, mas são registrados por rastros ou pela presença de pêlos ou fezes”, acrescentou, e explicou que “neste caso a descoberta é mais divertida” porque ele tem tirou uma foto que confirma a presença do animal.

No passado, observou ele, era uma espécie "altamente perseguida" pelo valor de sua pele, que era vendida para fazer casacos.

Outro problema que contribuiu para o desaparecimento da jaguatirica em Corrientes foi a “destruição do habitat”.

Encontrado por acaso

Pela forma como o encontraram, "por acaso" ao trabalhar no rastreamento de tamanduás-bandeira reinseridos com sucesso no Iberá, os pesquisadores esperam que não seja um único indivíduo.

“O que esperamos é que este indivíduo não seja apenas um, mas que existam outros que permitam a reprodução da espécie naquele local, e que não seja apenas o remanescente de uma população extinta”, concluiu Di Martino.

EFEverde


Vídeo: ASÍ SUENA EL RUGIDO DE LOS GRANDES FELINOS (Pode 2022).