TÓPICOS

As 21 plantas comuns mais tóxicas para nossos animais de estimação

As 21 plantas comuns mais tóxicas para nossos animais de estimação


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Além das plantas, no caso dos nossos animais de estimação também temos que levar em consideração a dieta alimentar deles, pois eles devem ter vários alimentos proibidos por serem potencialmente perigosos para a saúde.

Na prática veterinária, verifica-se que os gatos comem plantas com menos frequência do que os cães. Embora cães e gatos tenham o hábito de depender da natureza para o alívio de seus desconfortos ou problemas de saúde, e ingerir algumas plantas para isso, eles também podem cometer erros, ou sofrer reações alérgicas, ou lesões diversas. Os cães são os que mais visitam o veterinário por intoxicação por plantas, mas também acontece com os gatos. Conforme afirmado neste texto, o diagnóstico muitas vezes é impreciso, pois eles não sabem qual planta causou o envenenamento.

Caso seu animal apresente sintomas de intoxicação (veja a lista de plantas), leve-o imediatamente ao veterinário. Não tente induzir o vômito porque pode piorar o seu quadro clínico. Não dê leite a animais intoxicados ou envenenados, pois o leite não é um antídoto para esse tipo de envenenamento.

Todas as plantas na lista abaixo também são tóxicas para os humanos, então, se você tiver alguma em sua casa, ensine crianças e adultos sobre os perigos que eles podem produzir. É importante ensinar as crianças a não comerem pedaços de plantas, não tocarem nas plantas leitosas, não passarem as mãos nos olhos se tocarem em plantas desconhecidas.

21 plantas tóxicas mais comuns em casas e parques.

  1. Aloe.
  2. Antúrio.
  3. Azalea.
  4. Bulbos de plantas ornamentais.
  5. Codiaeum variegatum.
  6. Costela de Adam.
  7. Digitalis purpurea.
  8. Família Araceae.
  9. Hera.
  10. Catnip.
  11. Nightshade.
  12. Hydrangea.
  13. Kalanchoe.
  14. Lilium.
  15. Lírio do vale.
  16. Mamoneira.
  17. Maconha
  18. Philodendron.
  19. Pena, flor de pena.
  20. Spatiphyllum.
  21. Zantedeschia aethiopica.

Aloe (Aloe spp).

  • A seiva (acíbar) da planta é tóxica (látex amarelado), encontra-se logo abaixo da pele dos caules. Causa irritação na pele e na mucosa.
  • Sintomas de envenenamento: bolhas na pele e nas mucosas, salivação, vômitos, diarréia, dor abdominal, pulso fraco, conjuntivite (em contato com os olhos). Não confunda látex de aloe vera com gel de aloe.
  • O gel de Aloe é uma planta medicinal comumente usada em todo o mundo.

Antúrio (antúrios de antúrio).

  • Nome comum: flor de flamingo, antúrio.
  • Ingredientes ativos: oxalato de cálcio.
  • Partes de plantas tóxicas: flores, caules e folhas.
  • Grau de toxicidade: Alto (1). Oxalato de cálcio (3).
  • Sistemas afetados: Digestivo (boca, esôfago).
  • A planta inteira é tóxica, irrita as membranas mucosas.
  • Sintomas de intoxicação: salivação, coceira intensa na face, inchaço da face, vômitos e paralisia da língua.


Azalea (Rhododendron spp.)

  • A planta inteira é tóxica, especialmente a folha. Eles contêm grayanotoxinas, glicosídeos que afetam o trato digestivo, o sistema circulatório e o sistema nervoso.
  • Sintomas de intoxicação: vômitos prolongados, arritmias, convulsões, ataxia (perda de controle muscular durante movimentos voluntários, como caminhar ou levantar objetos), fraqueza, depressão e morte. O envenenamento por essas plantas é raro.

Bulbos de plantas ornamentais (jacinto, narciso, tulipa).


  • Os bulbos de algumas plantas ornamentais contêm substâncias capazes de envenenar animais e humanos. Fotos de envenenamento quase sempre são causadas por lâmpadas que ainda não foram enterradas ou desenterradas por brincadeira ou curiosidade. Os pacientes são animais jovens ou adultos entediados ou estressados.
  • Sintomas de intoxicação: gastroenterite (quase sempre leve a moderada), dermatite de contato.

Codiaeum variegatum.

  • Família: Euphorbiaceae.
  • Nome comum: croton.
  • Princípios ativos: ésteres diterpênicos.
  • Partes tóxicas de plantas: látex.
  • Grau de toxicidade: Moderado (2).
  • Sistemas afetados: gastrointestinais; pele e olhos.
  • A seiva da planta é tóxica, irrita as mucosas e a pele.
  • Sintomas de intoxicação: bolhas na pele e na mucosa oral, salivação, vômitos, diarréia, pulso fraco, dor abdominal, conjuntivite (em contato com os olhos).

Costela de Adão (Monstera deliciosa).

  • Toda a planta é tóxica, irritante para as membranas mucosas.
  • Intoxicação: sintomas de salivação, coceira intensa na face, inchaço da face, vômitos, paralisia da língua.

Digitalis purpurea.

  • Toda a planta é tóxica, principalmente as flores e os frutos, afetando o coração.
  • Sintomas de envenenamento: vômitos, diarréia, bradicardia (batimento cardíaco lento) e arritmias.

Família Araceae.

  • Alocasia spp. Caladium spp. Dieffenbachia spp. Monstera deliciosa Liebrn. Philodendron spp. Scindapus spp. ou Epipremnum spp. Spatiphyllum spp. Syngonium spp. Zantedeschia spp.
  • Plantas tropicais, amplamente utilizadas como plantas ornamentais de interior. Elas têm suas flores agrupadas em espadices e protegidas por uma bráctea chamada espata.
  • Princípios tóxicos e mecanismo de ação: eles localizam cristais de oxalato de cálcio dentro das células chamados idioblastos. Ao mastigar a planta, os idioblastos se rompem e os cristais se incrustam na mucosa, causando irritação e inflamação de toda a cavidade oral e erosões-ulcerações gástricas.
  • A planta inteira é tóxica. Causa irritação nas membranas mucosas.
  • Sintomas de intoxicação: irritação oral, coceira intensa, irritação nos olhos, dificuldade em engolir e mesmo respirar, em casos mais graves. Podem ocorrer alterações na função renal e alterações neurológicas.


Ivy (Hedera helix).

  • A planta inteira é tóxica, causando irritação nas membranas mucosas.
  • Sintomas de intoxicação: irritação oral, coceira intensa, irritação nos olhos, dificuldade em engolir e respirar nos casos mais graves.

Catnip

  • As folhas e caules desta planta induzem alterações comportamentais exclusivamente em gatos, embora um terço deles não sejam afetados por esta planta.
  • As substâncias indutoras são óleos essenciais e um monoterpeno (nepetalactona) contido nas folhas e caules. Essas substâncias são absorvidas pelo nariz. Os gatos cheiram a planta repetidamente e em pouco tempo mostram sinais característicos de intoxicação: atrito com a planta, ataxia e quedas, chafurdar persistente, tialismo, consumo de grandes quantidades do vegetal; a ingestão causa vômito e diarreia, fenômenos que são autolimitados. Os sinais persistem por cerca de uma hora; após um lapso de duas horas, os animais tornam-se novamente sensíveis ao efeito da planta. Nenhum caso grave de envenenamento por catnip foi relatado.

Nightshade (Solanum nigrum).

  • A planta inteira é tóxica, afeta o sistema nervoso (neurotóxico).
  • Sintomas de intoxicação: vômitos, diarréia, pupilas dilatadas, ataxia, fraqueza e sonolência.

Hydrangea.

  • As folhas e seus brotos são as partes venenosas dessa planta, já foi descrita a presença de um glicosídeo cianogênico (hortangina) e de saponinas, óleos e resinas. O envenenamento por hortênsia é raramente descrito.
  • Sintomas de intoxicação: tipo gastrointestinal, cianose (coloração da mucosa), convulsões, dor abdominal, flacidez muscular, letargia, vômitos e coma.

Kalanchoe spp.

  • Toda a planta é tóxica, especialmente suas flores. Sua toxicidade afeta o coração.
  • Sintomas de intoxicação: vômitos, diarréia, ataxia, tremores e morte súbita.


Lilium spp.

  • Todas as partes da planta são tóxicas, especialmente as flores. A identidade da substância tóxica nesta planta ainda é desconhecida.
  • O gênero Lilium contém numerosas espécies e variedades cuja alta capacidade tóxica só foi descrita em gatos, nos quais produz insuficiência renal aguda; Apenas pequenos problemas gastrointestinais foram observados em cães que consumiram quantidades significativas da planta, que não são fatais.
  • Sintomas de intoxicação: iniciam-se dentro de 3 horas após o consumo da planta, apresentando vômitos, tialismo, anorexia e depressão.

Lírio do vale (Convullaria majalis).

  • Essa planta, também chamada de sapinho, contém saponinas com efeitos gastrointestinais e glicosídeos cardiotóxicos. No entanto, ambos os tipos de toxinas são mal absorvidos pelo trato intestinal, de modo que a planta não representa um risco toxicológico significativo.
  • Sintomas de intoxicação: náuseas, vômitos, diarreia, cólica e tenesmo, seguidos horas depois de sinais cardiovasculares (hipotensão, bradicardia, bloqueio atrioventricular grau I-III, assistolia). Outros sinais são depressão, fadiga, confusão, hipercalemia, hiperidrose, tremores. Os sintomas aparecem de 5 a 24 horas após a ingestão e a morte pode ocorrer entre 10 horas e 4 dias.

Mamoneira (Ricinus communis).

  • A planta inteira é tóxica, especialmente as sementes. Sua toxicidade causa a morte celular ao bloquear a síntese de proteínas.
  • Sintomas de intoxicação: vômitos, diarréia, mucosas roxas (cianose), ataxia, convulsões e fraqueza. Os sinais aparecem apenas 3 dias após a ingestão.

Marijuana (Cannabis sativa).

  • O produto conhecido como maconha corresponde a uma mistura de caules, folhas e flores cortadas, secas e moídas de Cannabis sativa, cuja resina é rica em substâncias psicoativas (canabinóides); Delta-9-tetrahidrocanabinol (THC) é considerado o canabinóide principal e mais potente.
  • Cães e gatos rejeitam naturalmente o uso de maconha. O tratamento desta intoxicação é exclusivamente sintomático.
  • As imagens de envenenamento geralmente ocorrem quando a planta é misturada a alimentos que lhes são oferecidos (manteiga, brownies), ou quando são forçados a consumir cigarros de maconha ou inalar a fumaça (embora a apresentação de intoxicação neste caso não seja comum). Estudos estrangeiros indicam que 95-97% dos casos de envenenamento ocorrem em cães.
  • Sintomas de intoxicação: os canabinoides são altamente lipofílicos e seus metabólitos se ligam rapidamente a órgãos ricos em lipídios, como o cérebro. Acredita-se que o THC atue em um receptor cerebral seletivo para os canabinóides, dos quais derivam os efeitos no sistema nervoso central causados ​​por esse veneno. Em cães, geralmente aparecem entre 30 e 90 minutos após a ingestão e sua duração pode chegar a 72 horas. Apenas cerca de um terço dos pacientes apresentam sintomas digestivos (vômitos, diarréia, tialismo); na maioria dos casos, olhos vidrados, midríase, ataxia severa, depressão ou alternância de depressão e excitação, desorientação, sonolência, bradicardia, tremor, hipotermia estão presentes.

Philodendron spp.

  • Nome comum: filodendro.
  • Ingredientes ativos: oxalato de cálcio.
  • Partes tóxicas das plantas: flores, caules e folhas.
  • Grau de toxicidade: Alto (1) Oxalato de cálcio (3).
  • Sistemas afetados: Digestivo (boca, esôfago).
  • A planta inteira é tóxica. Causa irritação nas membranas mucosas.
  • Sintomas de intoxicação: irritação oral, coceira intensa, irritação nos olhos, dificuldade em engolir e mesmo respirar, em casos mais graves. Podem ocorrer alterações na função renal e alterações neurológicas.

Pena, flor de pena (Wisteria spp).

  • As sementes e os frutos que os contêm constituem as partes tóxicas do vegetal, cujo veneno seria um glicosídeo insuficientemente caracterizado.
  • Os sintomas de intoxicação são gastrointestinais (náuseas, vômitos, diarreia, cólicas), geralmente de média intensidade, e seu tratamento é sintomático.

Spatiphyllum spp.

  • Nome comum: lírio da paz, espatifila.
  • Ingredientes ativos: oxalato de cálcio.
  • Partes tóxicas das plantas: flores, caules e folhas.
  • Grau de toxicidade: Moderado (2) Oxalato de cálcio (3).
  • Sistemas afetados: Digestivo (boca, esôfago).
  • Toda a planta é tóxica, irritante para as membranas mucosas.
  • Sintomas de envenenamento: irritação oral, coceira intensa, irritação nos olhos, dificuldade em engolir e respirar, mesmo em casos graves. Podem ocorrer alterações na função renal e alterações neurológicas.

Zantedeschia aethiopica.

  • Nome comum: enseada, cartucho.
  • Ingredientes ativos: oxalato de cálcio.
  • Partes tóxicas da planta: A planta inteira, especialmente as flores.
  • Grau de toxicidade: Alto (1) Oxalato de cálcio (3).
  • Sistemas afetados: Digestivo (boca, esôfago).
  • A planta inteira é tóxica, irritante para as membranas mucosas.
  • Sintomas de intoxicação: salivação, coceira intensa na face, inchaço da face, vômitos, paralisia da língua.

Eco-invenções


Vídeo: 15 Plantas seguras para cães e gatos (Junho 2022).


Comentários:

  1. Cacamwri

    Absolutamente com você concorda. Nele algo está e é uma boa ideia. Está pronto para te ajudar.

  2. Fie

    eu gosto deste tópico

  3. Gozragore

    Peço desculpas, mas, na minha opinião, você comete um erro. Vamos discutir isso. Escreva para mim em PM, vamos conversar.

  4. Drystan

    Você permite o erro. Entre vamos discutir isso. Escreva para mim em PM.

  5. Dustyn

    Muito bem, esta frase muito boa é quase certa



Escreve uma mensagem