TÓPICOS

Tabagismo, alcoolismo e consumismo

Tabagismo, alcoolismo e consumismo


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Se a natureza do nosso corpo é invadida por produtos químicos tóxicos que destroem a saúde do corpo humano, então o milagre fortuito da vida torna-se o único inimigo a derrotar, por causa da ignorância de que fumam, bebem e compram seus piores algozes.

Dizem que o amor é a cura para todas as doenças e que todas as doenças são causadas pela falta de amor. Quando não há um vínculo emocional forte o suficiente em nossas vidas para aceitar o simples desafio da existência humana mágica, então somos expostos às vozes do ódio, ressentimento e traição.

Embora o planeta Terra gire mil vezes em torno de seu amado Sol, ele nunca compartilha os lendários sinais de fadiga, que revelam a tristeza de uma jornada solitária. Mas, infelizmente, a realidade de que os seres humanos viajam diariamente é tão desgastante, exigente e raivoso, que parece uma missão impossível sair ileso da psicose vislumbrada.

Todos os dias entramos em um círculo vicioso sufocante, cheio de reclamações de trabalho, pressões sociais, fragilidades emocionais, bombardeios publicitários, conflitos familiares e problemas financeiros, o que agrava a entrada de ansiedade, nervosismo, confusão, estresse e até ansiedade. Vitimização, devido a tanta loucura acumulada na íris de nossos olhos, que não podemos sair de nossas cabeças para recomeçar do zero.

O tempo nos transforma nos melhores escravos do tempo. A rotina, o costume, a moda e o apego a um estilo de vida insano estão corroendo o julgamento crítico de toda a Humanidade. Por isso, nos tornamos presas fáceis dos melhores predadores capitalistas do século XXI, responsáveis ​​por envenenar nossa saúde física e mental com um punhado de vícios, prontos para rentabilizar todo o arsenal de bebidas alcoólicas, nicotina e dinheiro, obtido com a clássica lavagem cerebral e doutrinação em massa sofrida por seus escravos em serviço.

Assim, a miséria espiritual exibida pela indústria farmacêutica em nível global se paga com a tremenda dependência gerada por seus produtos comerciais, em cada um dos neurônios pisoteados pelos consumidores doentes, que perdem a força de vontade para rejeitar o cigarro, o álcool e a morte. .

É triste reconhecer que a história de dor sofrida por milhões de pessoas no mundo, por não conseguirem resistir ao vício de fumar e beber em excesso, é a principal condição psicológica utilizada por Marlboro, Kent, Lucky Strike, Budweiser, Camel , Heineken, Chesterfield, Baisha, West, Dunhill, Pall Mall, L&M, Miller Lite, Newport, Corona Extra, Pilsener, Winston, Viceroy, Parlamento, Lark e o resto dos freaks corporativos, que são responsáveis ​​pela fabricação, distribuição e elevação o grande negócio do genocídio, para que a devoção continue a emergir infinitas contas de sangue, e rendendo seus frutos lucrativos à mão.

É muito fácil cair de joelhos na tentação do tabagismo e do consumo de álcool, pois ao nosso redor existem inúmeros estabelecimentos que estimulam o prazer e vendem a suavidade do suicídio assistido no atacado e no varejo. Entre supermercados, naturezas mortas, quiosques, cafeterias, restaurantes, farmácias, padarias, mercearias e outros espaços comerciais, busca-se que o trânsito da mercadoria em demanda satisfaça todas as fantasias da clientela.

Além disso, as máfias latino-americanas e estrangeiras que comercializam psicotrópicos em nossas cidades, aproveitam o ritmo vertiginoso de seus consumidores, para lembrá-los do direito e do dever de continuar fumando e bebendo mamadeiras, graças à presença de hiperativos fornecedores e contrabandistas que abundam nas ruas, nas praças, nos ônibus, nas escolas, nas universidades, nos estádios desportivos, nos hospitais, nos tribunais, nas igrejas, nas casas de saúde e nos cemitérios.

Não é por acaso que morrem mais de 10 milhões de pessoas anualmente no planeta Terra, devido ao consumo prolongado de cigarros e bebidas alcoólicas, que atearam fogo à lareira sagrada da vida, com aqueles inesquecíveis bêbados matinais. O pior é que a cada ano morrem mais de 750.000 latino-americanos, cuja morte está diretamente ligada ao consumo de tabaco e álcool. Uma estatística de mortalidade fatal e repetitiva, que aumenta à medida que as empresas transnacionais tentam ocultá-la e silenciá-la.

Porém, a perversão multimilionária das empresas de cerveja e tabaco ao redor do globo, supera a desinformação típica sofrida pelos cidadãos, pois não importa quão animal ou fera um indivíduo de carne e osso possa ser, todos os inconvenientes causados ​​pelas drogas psicoativas, entrando e permanecendo em nosso corpo moribundo.

Já sabemos que o tabaco causa aneurismas, bronquite, acidente vascular cerebral, vômito, osteoporose, irritação nos olhos, cáries, halitose, pneumonia, infarto e diversos tipos de câncer (pulmão, laringe, pâncreas, esôfago, útero, cólon, rins). A obstrução crônica dos pulmões, aumento da pressão arterial, úlceras estomacais, envelhecimento prematuro da pele e terrível disfunção erétil sofrida pelos consumidores são outras consequências que surgem de um cinzeiro.

Da mesma forma, já sabemos que o álcool causa náuseas, depressão, cirrose hepática, deficiência de vitaminas, disúria, dores de cabeça, dormência, paranóia, derrames e ataques cardíacos. Desinibição temporária, infiltração de fígado gorduroso, desequilíbrio hormonal e síndrome do álcool fetal são outras consequências que surgem de montanhas-russas.

Mas, a verdadeira questão a responder é a seguinte: Por que, se todas as pessoas sabem que fumar e beber é muito prejudicial à saúde, elas continuam a fumar e beber sem um pingo de remorso?

É justamente lá onde a eterna Sociedade de Consumo, mostra suas estratégias de marketing, seus baixos instintos e seu poder de convicção, para que todos os analfabetos se dediquem a cavar os buracos de suas próprias covas. Não há lágrimas, não há misericórdia, não há consolo. O único objetivo do Diabo é nos vender mais caixas de charutos, mais latas de cerveja e mais garrafas de licor, para que a overdose não ouça as batidas do coma etílico, nunca sinta o cheiro da fumaça da parada respiratória, e nunca sinta as palavras de sobriedade.

Estamos imersos em um emaranhado comunicacional que diviniza o mau e demoniza o bom. A cada momento somos bombardeados com uma série de mensagens audiovisuais que pretendem nos tornar viciados em álcool e cigarro. Basta apreciar o arsenal de spots, novelas, clipes musicais, filmes, videogames, desenhos animados, letreiros, graffiti, canções, banners, cartazes e outros conteúdos maliciosos que são projetados em cores na televisão, no cinema, nas ruas e na web, buscando glorificar o péssimo hábito de fumar e beber 24 horas por dia.

Trabalhando no contexto subliminar da mensagem transmitida, vemos que as transnacionais hipnotizam e forçam seus consumidores a comprar todos os produtos comerciais oferecidos. Para isso, aproveita-se a sensualidade de uma mulher posando de biquíni, a segurança transmitida por um homem de espingarda, a euforia que explode ao gritar um golo aos noventa minutos, a inveja que o piloto de um caro carro de corrida deriva., e até a exposição ilegal de crianças e adolescentes, que sonham em emular e herdar o mau exemplo representado por seus pais doentes.

Se você for corajoso e se atrever a fumar e beber, a sociedade o transformará em um deus, um crack e um gênio. Você desfrutará de popularidade, admiração e respeito em todos os lugares. Agora, nada nem ninguém poderá subjugar seu espírito rebelde.

Se você é um covarde e não ousa fumar ou beber, a sociedade o chamará de tolo, medroso e viado. Você desfrutará da rejeição, do ridículo e da inimizade de seus semelhantes. Nada nem ninguém pode te salvar da solidão.

Por medo de tossir sozinho com os dentes amarelados, o consumidor acaba se rendendo aos pés do álcool e do fumo, pensando que o sucesso ou o fracasso de sua vida profissional, amorosa e familiar vai depender da quantidade de bebidas que ingere ou da quantidade de cigarros que ingere. fumar diariamente.

Perdem primeiro a capacidade de discernimento, depois perdem o autocontrole diante de situações adversas e, por fim, perdem o grande valor da autoestima. Assim, as pessoas se afogam permanentemente no vício dos narcóticos, tornando cada vez mais difícil recuperar a autoestima e o desejo de sair do atoleiro.

É por isso que muitos consumidores assumem frases derrotistas e evasivas, após questionarem seu vício em cigarros e bebidas alcoólicas. Eles costumam dizer "Eu quero, mas não posso deixar isso." Eles se enganam dizendo "Posso parar quando quiser." Eles evitam críticas construtivas, dizendo "Estou muito velho para receber sermões". E até justificam o doloroso vício dizendo "todos nós vamos morrer de qualquer maneira".

Esse transtorno de personalidade que os consumidores sofrem é totalmente aproveitado pelas transnacionais gananciosas, que decidem colocar nomes engraçados e sugestivos em seus cigarros e cervejas, para continuar alterando o comportamento e o temperamento das pessoas, que precisam fumar ou beber para se sentirem bem. ímpeto, com espírito e presunção.

A insegurança dos consumidores é aplaudida por Quilmes, Polar, Indio, Bavaria, Cristal. Gitanes, Don Rey, Imperial, Star, Belmont, Jockey, Cienfuegos, Delicates, Casablanca, Faróis, Rumba, I-Love-You, Premier, Eagle, Cacique, Kool, Bohemian, Victoria, Wings, Derby, Montecristo, Elegant, Glory , Armada, Capri e outros ratos viciados em drogas que vão enchendo os bolsos de prata, enquanto as pessoas ficam cegas, surdas e mudas na grande bolha capitalista.

Nessa miragem mortal de vida criada por marcas comerciais, NÃO importe quebras de sorte, adesivos transdérmicos, gomas de mascar, sessões hipnóticas no sofá, sprays nasais, aforismos religiosos bíblicos, terapias farmacológicas, grupos de autoajuda ou qualquer outro esforço de uma natureza mental, que pode bloquear o impulso do consumidor, e implica abstinência de álcool e cigarros.

Com ou sem filtro, fezes, larvas e mofo foram encontrados na composição química dos cigarros, que devemos acrescentar ao famoso coquetel de nicotina, amônio, monóxido de carbono, alcatrão, acetona, cianeto e butano.

Com espuma ou sem espuma, traços de urina, xarope de milho transgênico, rabo de peixe, propilenoglicol, carragenina e corantes sintéticos foram encontrados na composição química das cervejas, que devemos acrescentar ao famoso coquetel de arsênio, bisfenol A e chumbo.

É incrível observar o grau de putrefação social, que sofre grande parte da Humanidade. O capricho, a teimosia e o conformismo de viver longe da introspecção NÃO permitem que os consumidores tenham consciência de seus defeitos e virtudes, dado o efeito placebo desastroso que recebem de seus vícios fatais. Afirmamos isso, porque a maioria dos fumantes e bebedores pesados ​​que moram conosco, são as vítimas mais inocentes do jogo perverso imposto pela Philip Morris.

Esse maldito jogo que destrói sonhos, que destrói famílias e que destrói lares. Aquela maldita armadilha que atingiu o sorriso de Belén, com tanto bullying nas escolas, com tanta violência de gênero em casa, e com tanta promiscuidade abortada. No final, os cigarros e o álcool o deixam acamado com insuficiência renal, o deixam se afogando em um tanque de oxigênio dependente para viver e o deixam chorando com uma azia insuportável no estômago.

Na verdade, os bilionários donos das empresas de fumo e bebidas alcoólicas do mundo nunca vão pagar pela pobreza de seu funeral sórdido de domingo, porque eles vão concentrar todas as suas energias em vender mais drogas para seus filhos, netos e sobrinhos. Porém, o show deve continuar sempre, para que a Nova Ordem Mundial utilize o uso do cigarro eletrônico, para que a suposta ajuda tecnológica da ciência moderna, permita que o mercado do narcotráfico se expanda até o genuíno aroma da puberdade.

Sabe-se que na maioria dos países latino-americanos existem leis antifumo em pleno vigor constitucional, para regulamentar sua produção, publicidade e comercialização à população, bem como para restringir o consumo de cigarros em espaços públicos fechados, a fim de alcançar ambientes 100% livres de fumo.

Mas a verdade é que todo o marco legal regulatório virou letra morta, o que é muito bem utilizado pelos donos de boates, cassinos e discotecas, para que jovens menores de 18 anos, avós com tendência asmática e até mesmo os entediados sem-teto, pode curtir o circo sem pensar na lei de proibição eleitoral, no pagamento de unidades tributárias, no fechamento de estabelecimentos movimentados e na privação de liberdade dos proprietários.

Não esqueçamos que a chamada "fumaça secundária", que é inalada por pessoas (fumantes passivos), que se localizam perto dos indivíduos que fumam cigarros (fumantes ativos), também é responsável por doenças respiratórias e graves danos ao organismo. saúde, especialmente para bebês recém-nascidos e crianças em idade pré-escolar, que podem ver seu crescimento físico e intelectual afetado pelas mais de 4000 substâncias nocivas que os cigarros liberam em cada fumaça divina.

Embora cada nova geração de seres humanos cometa o mesmo erro conceitual que seus descendentes, é óbvio que a superpopulação contribui para a crise cultural do século XXI. Toda a injustiça, desesperança e impunidade que coexiste nas ruas do planeta Terra, torna-se o DNA que move as grandes sociedades multiculturais do mundo, onde a interação saudável do trinômio Homem-Meio Ambiente-Sociedade nunca é priorizada.

Afirmamos isso porque os recursos naturais são sempre aniquilados pelos vícios sofridos pelo Homo Sapiens. Ao fumar e beber, você aumenta os níveis de poluição ambiental, a extinção da fauna nativa e a degradação de solos, rios, lagos, praias, parques, campos e riachos, devido ao acúmulo de tampas, latas, bitucas de cigarro e garrafas , que sujam a bela geografia dos povos latino-americanos.

É comum que motoristas, pedestres e transeuntes joguem cigarros ainda acesos na vegetação de áreas verdes, no asfalto da estrada e até no chão de suas próprias casas. A fumaça, o fogo e as cinzas que essa tremenda negligência ambiental emite são os principais responsáveis ​​por muitos incêndios florestais em áreas florestais, explosões devido à retenção de gás em escritórios e acidentes domésticos que matam a vida de nossos entes queridos.

Vale esclarecer que, para a fabricação de bebidas alcoólicas de consumo massivo, as cervejarias desperdiçam milhões de litros de água potável para produzir o veneno líquido. Geralmente, eles constroem seus gigantescos centros de negócios, nos espaços territoriais pertencentes aos povos indígenas e setores camponeses, que devem suportar a maquinaria pesada e trovejante, a usurpação de suas terras férteis e a contaminação dos ecossistemas que utilizam para sobreviver.

Ao longo do artigo, demonstramos o nexo que existe entre o alcoolismo, o tabagismo e a propaganda midiática imposta pela infraestrutura capitalista do século 21, para que continuemos desperdiçando dinheiro com cigarros e bebidas alcoólicas, em troca de doenças degenerativas incuráveis.

Vimos como é conveniente deixar as pessoas doentes com câncer de pulmão e de fígado, enquanto as transnacionais e seus produtos, as empresas farmacêuticas e seus médicos, e a mídia privada com seus anúncios, gastam seu tempo manipulando formigas, brutalizando ursos e lucrando com o formigueiro milionário.

Por esse motivo, o Dia Mundial Sem Tabaco é comemorado em 31 de maio, e o Dia Mundial Sem Álcool é comemorado em 15 de novembro. As duas efemérides propõem massificar as informações que indicam os riscos do tabaco e do álcool, de forma a conscientizar as comunidades e seus habitantes.

Lembre-se de que NÃO se trata de proibir o vício de ninguém. Queremos apenas que você enfatize sua compreensão de leitura e aplique inteligência para tirar suas próprias conclusões.

Todos nós temos um familiar, amigo, vizinho, professor ou colega de trabalho, que está afundado no inferno do cigarro e do álcool, por isso NÃO devemos deixá-lo sozinho com seu problema, e isolá-lo da realidade social que vivemos diariamente . Infelizmente, você e eu estamos a um passo de cair no mesmo abismo que criticamos, toda vez que evitamos ser solidários, altruístas e empáticos, com aquela mulher ou homem que caiu em desgraça.

Porque para escrever as histórias do coração, alguém teve que sofrê-las em primeira mão, pedimos que você desperte do pesadelo amargo. É importante que você tenha vontade de se dar uma segunda chance na vida, refletindo sobre os danos à saúde que o vício do consumismo representa, e assim poder gritar com os donos de álcool e cigarros Chega!

Por Carlos Ruperto Fermín


Vídeo: TABAGISMO X ALCOOLISMO (Julho 2022).


Comentários:

  1. Nell

    Eu posso encontrar meu caminho em torno desta questão. Entre que discutiremos.

  2. Evrawg

    Padborka legal

  3. Gair

    Notavelmente, esta é a moeda preciosa

  4. Irwin

    Feliz Natal, parabéns

  5. Mikacage

    Eu só quero explodir...



Escreve uma mensagem