TÓPICOS

Greenpeace pede desculpas ao Peru pelos danos às linhas de Nazca

Greenpeace pede desculpas ao Peru pelos danos às linhas de Nazca

As autoridades peruanas, no entanto, alegaram que esta instituição não quis divulgar os nomes dos ativistas que colocaram uma placa ao lado da figura chamada "O colibri", movendo pedras e estragando o solo em uma área de uma cidade com seus passos. valor intangível.

A incursão nas linhas milenares foi postar uma mensagem de reflexão sobre as mudanças climáticas, a respeito da cúpula da COP 20, realizada pela ONU em Lima.

“Não obtivemos o que desejávamos, que nos dêem nomes, passaportes, endereços, quem são os que acompanharam Mauro Fernández”, disse a ministra da Cultura, Diana Álvarez Calderón.

O argentino Mauro Fernández é um dos ambientalistas do Greenpeace que na noite de domingo, 7 de dezembro, quis chamar a atenção do mundo ao colocar a mensagem "Hora de mudar, o futuro é renovável" em um dos lados do famoso desenho.

O Ministério Público peruano está investigando um caso em que poderá até solicitar a pena máxima prevista em lei para o crime de dano ao patrimônio cultural: 8 anos de prisão.

Segundo Luis Jaime Castillo, vice-ministro da Cultura, “a razão pela qual ninguém pode entrar é não só pelo efeito duradouro que tem, mas porque esta área não foi totalmente estudada e haverá gerações de investigadores que vão acabar por revelar todos os mistérios das linhas de Nazca. "

“Cometemos um erro. Agora devemos dedicar toda a nossa atenção para consertá-lo ”, disse Naidoo.

"Eu comprometo nossa capacidade total de explorar todas as opções para reparar qualquer dano."

CCN


Vídeo: NAZCA LINES IN GOOGLE EARTH (Janeiro 2022).