TÓPICOS

17 de abril: Dia das lutas camponesas contra as empresas transnacionais e acordos de livre comércio

17 de abril: Dia das lutas camponesas contra as empresas transnacionais e acordos de livre comércio


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

A Via Campesina International definiu 17 de abril como o Dia Internacional das Lutas Camponesas tornar visível e denunciar a criminalização do protesto, da perseguição e da violência que o campesinato enfrenta no dia-a-dia em função da implantação do modelo neoliberal e do agronegócio no campo.

Para o Movimento Camponês Internacional é urgente acelerar a aprovação da Declaração das Nações Unidas sobre os Direitos dos Camponeses e outras pessoas que trabalham no campo como uma ferramenta de luta para garantir uma vida digna no campo.

A Via Campesina Internacional, neste dia 17 de abril de 2015, concentrará sua mobilização nos impactos das Empresas Transnacionais e dos Acordos de Livre Comércio para a Agricultura Camponesa e a Soberania Nacional. Portanto, neste Dia de Ação Global chamamos a fortalecer a luta social e a organização dos povos de todo o mundo para reivindicar a terra e a reforma agrária, bem como o direito ancestral à terra e aos territórios como duas condições indispensáveis ​​para a Agricultura Camponesa e a Soberania Alimentar dos povos.

Desde 1996 - em memória ao massacre de 19 camponeses sem terra no Brasil - o movimento camponês internacional tem crescido e fortalecido o caminho de ação e mobilização global, fortalecendo a solidariedade e a resistência, bem como aprofundando a aliança entre o campo e a cidade no Brasil. a favor de um projeto de sociedade baseado na justiça social e na dignidade dos povos.

Nós, camponeses e camponeses, indígenas, afrodescendentes, sem terra lutamos por um modelo de Agricultura Camponesa e soberana, para os quais os Tratados de Livre Comércio foram constituídos em livre desapropriação, expulsão e desaparecimento do campesinato, na medida em que se fundamentam a agricultura capitalista, industrial, subsidiada e altamente tóxica, que é negociada sob a influência e os interesses de algumas corporações transnacionais.

Para a Via Campesina, as políticas de abertura e os processos de desregulamentação apenas favorecem as transnacionais, uma vez que esses Tratados e Acordos Comerciais, sejam multilaterais ou bilaterais, visam basicamente proteger as empresas estrangeiras, estabelecendo um conjunto de condições, medidas e regras para garantir a proteção integral de investimentos de empresas estrangeiras, enquanto esta liberalização do mercado tem graves impactos econômicos e sociais sobre os camponeses do Norte e do Sul.

Com os FTAs, os direitos comerciais têm precedência sobre todos os outros direitos.

Para exemplificar, atualmente, estão em debate os Acordos de Livre Comércio e Liberalização de Investimentos entre a União Européia e os Estados Unidos e Canadá, que seriam os mais importantes já assinados.

Que terá um impacto global e determinará as novas normas a favor das transnacionais. E terão os instrumentos para manipular todos os regulamentos, normas e políticas públicas para aumentar seus lucros: o mecanismo de Resolução de Conflitos entre Investidores e Estados (RCIE) e o Conselho de Cooperação Regulatória.

Assim, estados, regiões e comunidades perderão o poder de proteger os cidadãos e seu meio ambiente.

Nesse sentido, denunciamos o "arbitragem" Mecanismo que estas empresas transnacionais utilizam que constitui uma espécie de globalização, transnacionalização e privatização do sistema judicial, em que as empresas privadas ditam as normas, bem como uma estratégia de enfraquecimento dos Estados e das soberanias nacionais.

No caso da notória Organização Mundial do Comércio (OMC), que tenta se renovar para não perder total relevância, este ano chega com uma nova ofensiva contra os sistemas nacionais de produção, distribuição e armazenamento de alimentos, buscando enfraquecer o público proteção de sistemas para as pessoas.

Neste Dia de Ação Global, a Via Campesina convida suas organizações, aliados e amigos a realizar uma série de ações nos países e territórios a fim de fortalecer esta luta global. Essas atividades podem ser mobilizações, apreensões de terras, trocas de sementes, feiras de soberania alimentar, fóruns, eventos culturais, etc. Solicitamos que registe estas ações enviando-nos informações sobre as mesmas para que assim possamos tornar visível este grande dia mundial de luta [email protected]

Publicaremos um mapa das ações em todo o mundo em www.viacampesina.or

Também encorajamos você a compartilhar fotos, vídeos, pôsteres e áudios para www.tv.viacampesina.org

La Via Campesina


Vídeo: Felps, 2 Super, História, Apostila 11, Módulos 61 e 62 (Pode 2022).