TÓPICOS

Portugal propõe tributar sacos plásticos

Portugal propõe tributar sacos plásticos


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

O projecto de Lei da Fiscalidade Ambiental, recentemente aprovado em Conselho de Ministros de Portugal, inclui uma taxa de oito cêntimos de euro por cada saco de plástico, instrumento fiscal que visa colocar o limite máximo de 50 sacos per capita por ano no 2015 e 35 per capita por ano em 2016.

O ministro do Meio Ambiente, Jorge Moreira da Silva, declarou que com esta medida o Governo pretende acabar com o efeito pernicioso das sacolas plásticas no meio ambiente, especialmente no mar. Com este imposto sobre o produto, o Governo espera arrecadar 40 milhões de euros em 2015. O ministro defendeu que a reforma da “tributação verde” visa “reorientar os padrões de consumo” e não aumentar os impostos indiscriminadamente.

Os estabelecimentos comerciais, como os supermercados, são os sujeitos do imposto e os que seriam obrigados a pagar ao Estado. O valor desse imposto será repassado ao consumidor final via preços. Ou seja, as sacolas são vendidas e, portanto, estariam sujeitas a IVA. Na prática, cada bolsa custará cerca de dez centavos de euro.

Outra medida importante desta reforma tributária ambiental é um imposto sobre o carbono (imposto ambiental sobre as emissões de CO2), como um imposto adicional sobre energia e derivados, o ISP. Isso geraria 95 milhões de euros. Para o consumidor, isto significaria um aumento de pouco mais de um cêntimo de euro no preço da gasolina e do gasóleo, a que se junta o aumento de dois cêntimos devido ao aumento do imposto rodoviário incluído no Orçamento do Estado para 2015.

Adicionalmente, o Governo português pretende reintroduzir, de forma generalizada, o incentivo fiscal aos veículos em fim de vida útil, para os quais haverá um subsídio de até 4.500 euros para aquisição de automóveis movidos a “energias limpas”. Em outras palavras, esse incentivo seria dado a quem substitua um carro antigo por um elétrico ou híbrido plug-in. No primeiro caso, haverá uma redução de 4.500 euros no Imposto Automóvel do novo automóvel. Na segunda, 3.250 euros.

Economia circular
http://economiacircular.org/


Vídeo: Conheça os principais IMPOSTOS de Portugal (Pode 2022).